PUBLICIDADE
Topo

Coceira no corpo pode ser sinal de carrapato; veja como se prevenir

Reprodução
Imagem: Reprodução

Bia Souza

Do UOL, em São Paulo

21/09/2015 06h00

O fim de semana chegou e depois de curtir a tarde na grama de um parque o corpo inteiro começou a coçar? Sim, pode ser carrapato.

Entre maio e outubro, o carrapato-estrela (Amblyomma cajennens), o mais comum no Brasil, começa a proliferar-se e a aparecer na sua forma mais jovem, conhecida como micuim. Nesta fase, as chances dele grudar em você são maiores, por isso, atenção!

Cavalos, cães e gatos, aves domésticas, roedores e, principalmente, capivaras podem carregar o artrópode infectado, que pode transmitir diversas doenças, entre elas a Febre Maculosa Brasileira (FMB) --uma doença grave causada pela bactéria Rickettsia rickettsii, que pode matar se não for diagnosticada com rapidez e tratada com eficiência. No Brasil, metade das pessoas contaminadas morre.

Outras doenças bacterianas transmitidas são a Doença de Lyme (Borrelioses), a Babesiose e a Erliquiose. Algumas Arboviroses, doenças causadas por vírus, também podem ser passadas pelo carrapato, explica o Infectologista Alexandre Naime Barbosa, da Faculdade de Medicina da Unesp, em Botucatu (SP).

"A forma jovem do carrapato é menor que a cabeça de um fósforo, o que dificulta a percepção. Às vezes ele está na nuca, atrás da orelha, nos pelos do tórax e até na bolsa escrotal. A inspeção no corpo deve ser criteriosa depois de ficar em uma área com grama ou animais”, explica Cristiane Lamas, médica Infectologista do Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas - Fiocruz.

Picada de carrapato? Não esprema!

  • Paulo Campos/ Estadão Conteúdo

    Onde pega?

    Carrapatos são comuns em áreas de clima quente e com mamíferos, especialmente cavalos e capivaras, mas aparecem, principalmente, em ambientes com sombra. Evite passeios ecológicos, pesqueiros, fazendas e parques na época da reprodução dos artrópodes. Atenção às crianças, que costumam brincar nessas áreas

  • Rafael Roncato/UOL

    Como prevenir?

    Basicamente, evite sentar ou deitar em áreas que podem ter carrapatos. Vale usar repelentes, vestimentas claras, que facilitam a visualização dos artrópodes, ou que cubram o corpo, como botas, calças e blusas com mangas compridas. Caso tenha ficado exposto, examine o corpo com cuidado atrás de marcas de picada e alergias

  • Thinkstock

    Quais os sintomas?

    Além da coceira, a picada pode provocar inchaço e vermelhidão na pele. Algumas pessoas podem ter uma reação alérgica à picada. Em caso de dores nas articulações, fraqueza muscular, febre ou pus no local do ferimento, procure um médico. A febre maculosa tem sintomas iniciais parecidos com os da dengue (febre alta, mal estar e dor no corpo), que surgem de 2 a 14 dias após a picada

  • Divulgação

    Fui picado. E agora?

    Tente retirar o carrapato da pele com a ajuda de pinças ou luvas, fazendo um movimento de torção para que ele solte. Nunca o retire o carrapato com as unhas descobertas ou esprema, pois os fluidos podem transmitir bactérias e penetrar por pequenas lesões na pele

 

Notícias