OMS recomenda abstinência ou sexo seguro a quem esteve em área com zika

  • Nacho Doce/ Reuters

    Ocorrência de microcefalia no Brasil tem sido associada a epidemia de vírus da zika

    Ocorrência de microcefalia no Brasil tem sido associada a epidemia de vírus da zika

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou nesta quinta-feira (18) a todas as pessoas que estiveram em zonas afetadas pelo surto de zika que considerem abstinência sexual ou usem camisinha por pelo menos quatro semanas. A recomendação foi feita em um guia intitulado "Prevenção da potencial transmissão sexual do zika".

O guia afirma ainda que a recomendação também é válida para pessoas que vivem em regiões afetadas pela doença, mas, nesse caso, a organização não estipula um tempo mínimo. A orientação é baseada no fato de que a maioria das infecções pelo vírus da zika é assintomática, e há a possibilidade de que sua transmissão possa ocorrer também sexualmente.

Inicialmente, as recomendações da OMS sobre o uso da camisinha eram direcionadas a grávidas, devido à suspeita de que o zika possa causar microcefalia. A organização, no entanto, ampliou essa orientação porque considera a situação uma emergência de saúde pública internacional.

Pílula do dia seguinte

No guia, a OMS pede ainda que gestantes em regiões afetadas usem camisinha ou pratiquem a abstinência sexual durante toda a gravidez. A organização defende ainda a ampliação do acesso a métodos anticoncepcionais de emergência.

"As mulheres que fizeram sexo sem proteção e não querem ficar grávidas deveriam ter acesso a serviços de contracepção de emergência", reforça a entidade. A transmissão sexual do zika foi descrita em dois casos e foi documentada em um caso, em 2013, no qual o vírus foi encontrado no sêmen.

Nesta quinta, o papa Francisco admitiu como possível o uso de métodos contraceptivos por católicas. Diferentemente do aborto, Francisco disse que "evitar a gravidez não é um mal absoluto", e acrescentou que "em certos casos" empregar a contracepção pode ser o "mal menor".

Reforço no combate

Um dia após a OMS lançar um plano de ação, orçado em 56 milhões de dólares para o combate do vírus, o Banco Mundial afirmou nesta quinta-feira que disponibilizará imediatamente 150 milhões de dólares para países da América Latina e Caribe em financiamentos para a luta contra o zika.

O organismo multilateral afirmou que está pronto para aumentar esse apoio caso necessário e ressaltou que o valor inicial é baseado nas demandas atuais dos países afetados e na avaliação de especialistas.

O Banco Mundial estimou ainda que o surto terá um impacto econômico sobre os países afetados. A instituição prevê para 2016 uma redução na produção econômica da região de 3,5 bilhões de dólares, o equivalente a 0,06% do Produto Interno Bruto (PIB).

O banco ressaltou ainda que a previsão é baseada em uma resposta internacional rápida no combate ao vírus e que os maiores riscos de saúde são para grávidas.

"Nossa análise enfatiza a importância de uma ação urgente para parar a disseminação do vírus e proteger a saúde e o bem-estar de pessoas nos países afetados", disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos