O mistério da 'síndrome de Camaçari': como o país descobriu que tinha zika

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

  • Christophe Simon/ AFP

    O virologista Gúbio Soares Campos trabalha no Laboratório de Virologia da UFBA

    O virologista Gúbio Soares Campos trabalha no Laboratório de Virologia da UFBA

No começo do ano passado, uma doença misteriosa começou a chamar a atenção em um hospital de Camaçari, na Bahia. Ainda não sabiam que se tratava da zika, e a doença ganhou o apelido de "síndrome de Camaçari". "O diretor do hospital [Santa Helena, que registrava casos da "doença misteriosa"] me chamou para tentar esclarecer o caso. Achavam que era a água que contaminava as pessoas. Quando fui lá, percebi que não era a água e disse que era doença nova, que tínhamos que tentar descobrir, diz o médico infectologista Antonio Carlos Bandeira.

"Todos estavam procurando algum vírus diferente e não estavam encontrando. Eu suspeitava que era arbovirose, então enviei as amostras para o Gúbio [Soares Campos, coordenador do Laboratório de Virologia da UFBA (Universidade Federal da Bahia)] e pedi para ele concentrar as buscas em um arbovírus [vírus transmitidos por insetos]".

Os testes em laboratório começaram a ser feitos em fevereiro de 2015, quando a Secretaria de Saúde da Bahia foi notificada pelas unidades sobre casos de "doença exantemática indeterminada" (doenças que incluem manifestações na pele, mas sem diagnóstico).

A doença misteriosa fazia com que pacientes apresentassem manchas no corpo, febre e coceira. Pelas características, os pesquisadores já acreditavam se tratar de uma doença que fosse transmitida por um inseto. Então, os pesquisadores da UFBA começaram a fazer testes para doenças pouco conhecidas no Brasil.

Mayaro? Febre do Nilo Ocidental? Não, zika!

Foram feitos testes inicialmente para doenças como Febre de Mayaro e Febre do Nilo Ocidental. Na época, eles acreditavam que era mais provável que essas doenças tivessem chegado ao país. O vírus da zika foi o último a ser testado. "Nós testamos cinco arbovírus: mayaro, vírus do Nilo ocidental e outros três que não recordo o nome. Pegamos o material e testamos para todos que tinham um quadro clínico parecido. Então, como foi dando negativo, íamos excluindo, e só nos restava o vírus da zika", diz Gúbio Soares Campos.

No dia 28 de abril de 2015, pela primeira vez no país, os pesquisadores confirmaram a infecção de pessoas pelo vírus da zika no país. Nos testes, oito das 24 amostras de pacientes de Camaçari deram positivas para a doença. "Vimos que o quadro clínico estava compatível com o que estava na literatura", diz Campos.

"A gente não imaginava isso, porque não tinha relato. Não tinha nada escrito sobre zika na literatura, era pouquíssima coisa", diz Bandeira. "A gente até ficou preocupado porque na Polinésia Francesa havia relatos de aumentar casos da síndrome de Guillain-Barré", completa.

O infectologista diz que não há certeza de que o vírus da zika chegou ao Brasil pela Bahia. "Tivemos e temos muitas hipóteses em relação à chegada da zika, sabemos que tivemos ao mesmo tempo casos aqui, em Pernambuco, Rio Grande Norte e Paraíba. Já tínhamos relatos de casos com sintomas similares no final de 2014, mas são conjecturas, não há comprovação".

De lá para cá muita coisa mudou no conhecimento do vírus. Sabe-se que ele pode ser encontrado na saliva, sêmen e urina e atravessa a placenta na gestação.

Agora, a luta de Gúbio Soares Campos e sua equipe é conhecer melhor o vírus da zika. "Estamos estudando a genética do vírus, a característica dele, como é a resposta imune. Queremos saber se uma pessoa que teve a doença poderá contrair de novo. Mas ainda falta muito trabalho, é muito cedo", diz.

 

Conheça as doenças citadas

Silva Junior/FSP Febre de Mayaro É uma doença que causa febre, cefaleia e edema nas articulações --sintomas semelhantes aos da febre chikungunya. O vírus Mayaro, que também pode ser transmitido pelo Aedes, é considerado endêmico (recorrente) no Norte e Centro-Oeste, especialmente na região Amazônica. Há registro recente em Pantanal (MS), Sinop e Cuiabá (MT). Houve surtos em 1955, na área de Belém (PA), e entre 2014 e 2015, em nove Estados, especialmente Goiás, Pará e Tocantins.
AFP Febre do Nilo Ocidental A infecção, que já matou mais de 2.000 pessoas nos EUA nos anos recentes, acomete humanos e animais. Os sintomas vão desde febre e dores nas articulações a quadros graves de encefalite (inflamação do cérebro) ou meningite (inflamação das membranas do cérebro), mas só se manifestam em 20% das pessoas. Apenas 1% dos casos é grave. No Brasil, só houve um caso: um trabalhador rural no Piauí, em 2014. A doença, porém, existe em todos os continentes. Nos EUA, foram registrados mais de 36 mil casos até 2012, 16 mil deles, graves.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos