PUBLICIDADE
Topo

Mortes por covid caem em 10 estados e sobem em 8; veja situação pelo país

Profissionais de saúde atendem paciente da covid-19 em hospital no Rio de Janeiro - Ricardo Moraes/Reuters
Profissionais de saúde atendem paciente da covid-19 em hospital no Rio de Janeiro Imagem: Ricardo Moraes/Reuters

Do UOL, em São Paulo

21/07/2020 12h39Atualizada em 10/08/2020 20h28

Dez estados tiveram desaceleração da média móvel de mortes por covid-19 nesta segunda (10), enquanto outros 8 apresentaram tendência oposta, com aumento dos números, de acordo com dados do consórcio de imprensa, do qual o UOL faz parte.

São Paulo, há dias em estabilidade, apresentou aceleração de 19% nesta segunda porque há duas semanas, quando as médias foram comparadas, o estado não publicou números, o que fez com que, naquele dia, sua média móvel caísse. O estado do Paraná, por sua vez, não divulgou seus dados hoje e manteve estabilidade (-10%).

Entre as regiões, o Norte (-21%) vive fase de queda no número médio de mortes em comparação com os últimos 14 dias, enquanto o Nordeste (-13%), o Centro-Oeste (+6%) e o Sudeste (+9%) apresentam estabilidade. Sul (+18%) segue como única região em alta.

O Brasil também se manteve estável (oscilação de +2% em 14 dias) mesmo com aumento da média móvel para 1.022 mortes/dia na última semana.

Para medir a situação das mortes por causa da covid-19, especialistas indicam usar a média móvel dos óbitos, que calcula a média de registros observada nos últimos sete dias. A operação é a mais adequada para observar a tendência das estatísticas, por equilibrar as variações abruptas dos números ao longo da semana.

O consórcio de veículos de imprensa adotou esse período para verificar as oscilações na média móvel. É possível falar em queda nos números quando diminuição é maior do que 15% se verificado nos últimos 14 dias —no caso, o período das duas últimas semanas. Caso os números aumentem mais do que 15%, há aceleração da epidemia. Valores intermediários indicam estabilidade.

Veja a situação por estado e no Distrito Federal:

Região Norte

  • Acre: em queda (-26%)

  • Amazonas: em aceleração (43%)

  • Amapá: estável (8%)

  • Pará: em queda (-41%)

  • Rondônia: em queda (-50%)

  • Roraima: em queda (-23%)

  • Tocantins: em aceleração (20%)

Região Nordeste

  • Alagoas: em queda (-18%)

  • Bahia: em aceleração (16%)

  • Ceará: em queda (-25%)

  • Maranhão: em queda (-35%)

  • Paraíba: em queda (-18%)

  • Pernambuco: estável (-9%)

  • Piauí: estável (-4%)

  • Rio Grande do Norte: estável (-11%)

  • Sergipe: em queda (-29%)

Região Centro-Oeste

  • Distrito Federal: estável (-6%)

  • Goiás: estável (10%)

  • Mato Grosso: estável (3%)

  • Mato Grosso do Sul: em aceleração (27%)

Região Sudeste

  • Espírito Santo: estável (-10%)

  • Minas Gerais: em aceleração (46%)

  • Rio de Janeiro: em queda (-32%)

  • São Paulo: em aceleração (19%)

Região Sul

  • Paraná: estável (-10%)

  • Rio Grande do Sul: em aceleração (22%)

  • Santa Catarina: em aceleração (55%)

Errata: o texto foi atualizado
No dia 6 de agosto, todas as regiões tiveram aceleração de mortes, incluindo o Norte, diferentemente do que informou o título, o texto e a chamada na home page do UOL.
Em 1º de agosto, a média móvel encontrava-se em queda em Pernambuco naquele dia, e não estável.

Coronavírus