PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Vacina fica pronta 20 dias após insumo chegar, diz pesquisador da Fiocruz

Fiocruz aguarda chegada de IFA para produzir vacinas contra covid-19 - Josué Damacena/IOC/Fiocruz
Fiocruz aguarda chegada de IFA para produzir vacinas contra covid-19 Imagem: Josué Damacena/IOC/Fiocruz

Do UOL, em São Paulo

26/01/2021 19h25Atualizada em 26/01/2021 19h37

O pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) Julio Croda afirmou hoje que, após a chegada do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) ao Brasil, serão necessários cerca de 20 dias para que as doses da vacina Oxford/AstraZeneca, produzidas no país, fiquem prontas.

"Esperamos que não haja nenhum atraso", disse ele, em entrevista à CNN Brasil, sobre a chegada dos insumos.

Croda explicou que, quando essa matéria-prima chegar, a Fiocruz terá a capacidade de produzir de 500 mil a 1 milhão de doses por dia da vacina contra covid-19. No entanto, ele relembrou que atualmente a produção, tanto na Fiocruz quanto no Instituto Butantan, está parada.

Os dois laboratórios estão esperando a chegada dos insumos importados da China para continuar a produzir as vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca. "Fazendo uma análise desse semestre, a gente ainda vai ter muita dificuldade porque a gente sabe que nem o [Instituto] Butantan nem a Fiocruz vão produzir a IFA localmente, irá depender dessa importação da China", afirmou.

Julio Croda ressaltou ainda que a demora na chegada dos insumos já causou alterações no cronograma de vacinação no Brasil. "Já era pra gente ter iniciado [a vacinação das] as pessoas acima de 75 anos. A gente já está duas semanas atrasado na nossa campanha porque a gente não tem doses suficientes".

O pesquisador defendeu a importância da vacinação lembrando o exemplo de Israel, que registrou queda de 60% na internação de idosos três semanas após o início da vacinação.

"A vacina é a grande solução para gente diminuir a pressão dos serviços de saúde, internações em leitos de terapia intensiva e também para a gente recuperar a economia", concluiu.

Saúde