PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
8 meses

Nº 2 da Saúde mente ao citar comprovação para comparar vacina e cloroquina

Élcio Franco mentiu ao falar sobre aplicativo que recomendava para cloroquina - Divulgação/Palácio do Planalto
Élcio Franco mentiu ao falar sobre aplicativo que recomendava para cloroquina Imagem: Divulgação/Palácio do Planalto

Colaboração para o UOL

28/01/2021 11h09Atualizada em 28/01/2021 11h48

Élcio Franco, secretário-executivo e segundo membro mais importante do Ministério da Saúde, mentiu hoje ao falar sobre cloroquina e vacina contra covid-19. Ele fez afirmações falsas sobre a bula, os testes e a comprovação do imunizante. Também negou que o governo federal tenha recomendado o uso de cloroquina em um aplicativo, o que foi feito recentemente.

A primeira mentira de Élcio foi sobre as bulas para vacina. Ele foi perguntado, em entrevista à rádio CBN, se não seria uma contradição o governo gastar em cloroquina, sendo que não há eficácia comprovada contra covid-19, e esperar novas aprovações para só depois investir em vacinas.

"A vacina também não tem bula neste momento. Para o uso emergencial, a Anvisa determinou que haja o termo de consentimento livre esclarecido para que o paciente seja imunizado durante período de uso emergencial até que ela tenha bula, então é uma situação bem semelhante", respondeu Élcio.

Mas a situação não é parecida. As taxas de eficácia das vacinas contra covid-19 foram analisadas e aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). E todas vacinas aplicadas possuem bula, ou seja, informações precisas sobre quem deve ser vacinado e possíveis reações.

Quando foi perguntado sobre o uso de cloroquina para combater covid-19, Élcio disse que os médicos têm autonomia para recomendar esse medicamento, que não tem eficácia comprovada contra a doença. E fez novas afirmações mentirosas sobre o tema.

"Há evidências científicas, que mostram que no uso 'in vitro', em alguns casos, havia evidência científica da eficácia desse medicamento durante a fase viral. O médico tem que ter autonomia. Não é recomendação do Ministério de Saúde de oferecer ao paciente. E não é obrigatório. É diante de uso de termo de esclarecimento que ele pode tomar. Ninguém esta recomendando, mas isso faz parte da autonomia do medico".

A evidência científica citada por Élcio foi mostrada através de testes feitos in vitro, ou seja, em laboratório. Quando esse teste foi realizado em humanos, a eficácia não foi comprovada.

Já as vacinas contra covid-19 foram testadas em humanos, nas fases 2 e 3. Os resultados de segurança, eficiência e eficácia foram aprovados pela Anvisa para uso emergencial. Inclusive a agência já citou que não há tratamento eficaz contra a covid-19 atualmente.

Élcio afirmou que o Ministério não recomendou o uso de cloroquina, mas o Ministro Eduardo Pazuello já apareceu ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) indicando o medicamento.

E recentemente o governo federal lançou um aplicativo que recomendava a utilização de cloroquina para alguns pacientes, de acordo com os sintomas que ele relatava. Élcio também mentiu ao falar sobre isso. "Não é uma recomendação. Se você pegar a bula de um remédio, está dizendo que o antibiótico se presta para um tipo de inflamação, mas isso não é uma recomendação".

O aplicativo TrateCov foi apresentado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, quando ele esteve no Amazonas. O programa sugeria um diagnóstico por meio de um sistema de pontos que, segundo o ministério da Saúde, seguia "rigorosos critérios clínicos".

Mas tanto a cloroquina quanto antibióticos poderiam ser receitados para um recém-nascido com diarreia e fadiga, por exemplo. A idade não interferia na pontuação apresentada na plataforma do Ministério da Saúde.

O aplicativo foi tirado do ar após críticas de especialistas, incluindo uma nota do CFM (Conselho Federal de Medicina). O Ministério da Saúde chegou a alegar que o programa só foi ao ar por causa de uma ação de hackers. Mas até as redes sociais da pasta divulgaram o aplicativo. O MPF (Ministério Público Federal) já pediu explicações ao Ministério da Saúde, por meio de um ofício, sobre o uso do aplicativo TrateCov

Saúde