PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Paes diz que restrições visam evitar um lockdown e índices de 2020

Eduardo Paes acredita que a cidade está em "situação confortável" na pandemia - Beth Santos/Divulgação
Eduardo Paes acredita que a cidade está em "situação confortável" na pandemia Imagem: Beth Santos/Divulgação

Gabriel Sabóia e Allan Brito

Do UOL, no Rio de Janeiro, e colaboração para o UOL

04/03/2021 08h48

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), afirmou em entrevista realizada na manhã de hoje que o anúncio de medidas mais restritivas para combater o avanço da covid-19 visa "evitar o genocídio de 2020" e um possível lockdown dos serviços.

"Não queremos decretar medidas sem razões de ser. Não é o prefeito quem tem que achar a medida 'x' ou 'y' adequadas. São os cientistas e as evidências científicas que nos pautam. Objetivo é evitar o genocídio que se viu no ano passado, quando chegamos a ter o dobro do número de mortes de São Paulo. Se conseguirmos estancar o processo de contaminação, evitamos mortes", afirmou.

Paes espera que as novas restrições sejam suficientes para evitar o fechamento total do comércio. "O objetivo de todas essas medidas é um acompanhamento criterioso justamente para a gente evitar um lockdown. Tudo o que eu não quero fazer é fechar a cidade inteira. A gente vem fazendo de tudo desde o início do governo para permitir que a vida siga com algumas restrições, mas o mais normal possível", explicou.

"A gente toma medidas que valem por uma semana para tentar conter os casos. São medidas de transição para evitar que a gente tenha que tomar outras mais duras. Não queremos ficar como outras cidades: parando, fechando, acabando com comércios e com atividade econômicas", completou.

As restrições

Conforme decreto publicado no Diário Oficial de hoje, está proibida a permanência (mas não a circulação) em ruas e espaços públicos no horário entre 23h e 5h.

As restrições passam a valer a partir de amanhã e têm validade de uma semana. Bares e restaurantes só poderão funcionar entre 6h e 17h, com 40% de ocupação. O mesmo vale para as praças de alimentação de shoppings centers.

Ficam proibidas atividades comerciais e de prestação de serviços nas praias —o que inclui o trabalho dos vendedores ambulantes. Festas e rodas de samba serão impedidas pela fiscalização.

Estabelecimentos que desrespeitarem as normas estabelecidas pelo decreto poderão ser interditados imediatamente. Já as pessoas que desrespeitarem as normas serão multadas em R$ 566,42.

Sobre os números da pandemia da cidade Paes afirmou que está "em situação confortável" e negou preocupação com aumentos - de acordo com o Painel Rio Covid-19, a capital tem 76% de ocupação dos leitos da rede municipal voltados para a doença. No total, são 207.620 casos e 18.920 óbitos por covid-19 registrados.

"Tomamos medidas para que continuemos confortáveis. Mas não vamos esperar as pessoas morrerem para tomar atitudes. Temos que tomar medidas e não podemos esperar o amplo diálogo", explicou ele, que admitiu a possibilidade de "fechar tudo" se os dados pedirem tal medida", afirmou.

Saúde