PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
6 meses

Prefeitos elogiam liberação de vacinas, mas pedem definição de calendário

Antes, o ministério recomendava que metade das vacinas fossem reservadas para garantir a aplicação da segunda dose. Na prática, a decisão permite dobrar o número de pessoas vacinadas com a primeira dose - iStock
Antes, o ministério recomendava que metade das vacinas fossem reservadas para garantir a aplicação da segunda dose. Na prática, a decisão permite dobrar o número de pessoas vacinadas com a primeira dose Imagem: iStock

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

21/03/2021 18h12Atualizada em 21/03/2021 18h14

A decisão do Ministério da Saúde de autorizar a utilização de todas as vacinas contra a covid-19, entregues para Estados e municípios, para aplicação da primeira dose foi elogiada pelo presidente da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), Jonas Donizette. Antes, o ministério recomendava que metade das vacinas fossem reservadas para garantir a aplicação da segunda dose. Na prática, a decisão permite dobrar o número de pessoas vacinadas com a primeira dose.

O presidente da entidade declarou que a decisão é importante em um momento de escalada no número de casos e de mortes no país. Segundo ele, a liberação do estoque de vacinas para aplicação da primeira dose era um pleito da FNP.

Donizette disse que a aplicação da primeira dose em mais pessoas tem potencial para ajudar a reduzir o número de contaminados, reduzir o número de internações e reduzir a quantidade de pessoas ocupando UTIs.

"O ideal seria a aplicação das duas doses, mas a primeira já cumpre o papel de reduzir o número de contaminações, internações e intubações. Também cobramos do governo que defina um calendário para distribuição de vacinas para que estados e municípios possam ter previsibilidade", declarou.

Diante da pressão da população por vacinas e por abrir o comércio, o presidente da FNP declarou que prefeitos e governadores têm tido dificuldade em flexibilizar as normas que fecham o comércio e restringem a circulação de pessoas.

"De um lado, as pessoas querem trabalhar, os empresários produzir. Do outro, as autoridades sanitárias alertam para o risco de aumento no número de contaminações e mortes. Precisamos acelerar o processo de vacinação", disse.

Saúde