PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Covid: Rio flexibiliza medidas restritivas, mas mantém praias fechadas

Rai Aquino

Colaboração para o UOL, no Rio

09/04/2021 08h30Atualizada em 09/04/2021 20h03

A Prefeitura do Rio flexibilizou hoje as medidas restritivas que estavam em vigor na cidade por causa do novo coronavírus. O comércio de rua, shoppings, bares e restaurantes podem voltar a funcionar normalmente, mas as praias continuam fechadas (veja a relação das medidas mais abaixo). As restrições mais severas estavam em vigor desde o dia 26 de março, quando se iniciou um recesso de 10 dias na capital fluminense.

"A gente está voltando à regra anterior, basicamente. Aquilo que funcionou até aquele conjunto de restrições, que começou com aquele recesso, que prevaleceu até ontem", destacou o prefeito Eduardo Paes (DEM), na divulgação dos dados do 14° boletim epidemiológico da covid-19 na cidade. As medidas entraram em vigor hoje às 0h e serão válidas até 19 de abril.

Sobre as restrições nas praias, o prefeito disse que cogita uma liberação para a prática de exercícios coletivos em locais abertos das 6h às 10h.

"Há sempre essa própria recomendação da OMS de que a prática esportiva é importante neste momento. A gente está avaliando isso e até semana que vem a Secretaria Municipal de Saúde deve informar, através de nota técnica", avisou.

Para evitar prejuízos financeiros aos ambulantes que trabalham nas praias, Paes revelou que a prefeitura vai renovar o auxílio de R$ 500 dado aos trabalhadores cadastrados para atuar nesses locais.

Queda no crescimento de síndrome gripal

Ao apresentar os dados da covid-19 no Rio, o prefeito disse que há uma diminuição no ritmo de crescimento do atendimento de urgência e emergência de casos relacionados à síndrome gripal nas unidades de saúde da cidade. Paes atribuiu a queda ao "superferiado" de 10 dias e à manutenção das restrições mais severas por 14 dias.

"Esse dado é muito positivo. Isso certamente significa que daqui a pouco a gente começa a ter menos internação e menos óbito", projetou o prefeito. "Essa é uma resposta contundente para aqueles que acham que restrição não leva a nada".

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, reforçou que as medidas restritivas surtiram efeito na cidade.

"Fica muito evidente como a curva de transmissão diminuiu nesses últimos dias e isso dá muita segurança para poder atingir esse próximo passo que a gente está dando, que é manter ainda as medidas restritivas em um nível muito alto, mas não no nível de fechamento completo, como a gente estava fazendo anteriormente", avaliou Soranz.

1 milhão de vacinados

Vacinando idosos a partir de 64 anos contra o novo coronavírus, o Rio de Janeiro atingiu a marca de 1 milhão de pessoas que receberam a primeira dose do imunizante. São 1.003.963 vacinados, o que representa 14,9% da população carioca e 68,1% dos idosos com mais de 60 anos.

"A gente vai entrando em um cenário que vai permitir cada vez mais que a gente vá diminuindo restrições, avançando, que a vida vai voltando mais ao normal, mas ainda não é o momento de achar que está tudo certo. Não está", ressaltou Paes.

O prefeito criticou o Ministério da Saúde por não fazer a imediata distribuição das vacinas do PNI (Programa Nacional de Imunização) aos estados assim que as recebe. Até o momento, o município diz ter vacinas garantidas até o próximo dia 17, mas já avisou que tem o imunizante para quem vai receber a segunda dose.

"Não dá para você receber dose e ficar uma semana segurando, no ritmo que estamos", afirmou Paes. "Aqui vai o meu agradecimento ao ministro da Saúde (Marcelo Queiroga) pela decisão inteligente e óbvia de que recebeu, distribui. Ficar acumulando uma semana para só distribuir depois não parece nem racional".

Veja as medidas restritivas em vigor na cidade

  • Proibida permanência nas praias, parques e cachoeiras, assim como as atividades econômicas na faixa de areia e esportes coletivos
  • Proibido estacionamento na orla, exceto para moradores, idosos, pessoas com deficiência e hóspedes de hotéis
  • Proibido esporte coletivo em áreas abertas ou fechadas, como academias ou aulas particulares
  • Proibido funcionamento de casas noturnas, festas públicas e particulares e roda de samba e a fins
  • Museus, galerias, bibliotecas, visitações turísticas, feiras, exposições e congressos e seminários podem funcionar entre 12h e 21h
  • Toque de recolher das 23 às 5h
  • Restaurantes, bares e lanchonetes podem funcionar até as 21h, com tolerância de 1h para fechamento. Após esse horário, é permitido apenas o delivery e drive-trhu
  • Clubes sociais e esportivos podem funcionar até as 21h, com acesso às áreas de lazer e recreação a partir das 11h
  • Escalonamento do funcionamento das atividades: prestação de serviços de 12h às 21h; demais atividades comerciais de 10h às 18h; órgãos não essenciais da administração pública de 8h às 17h
  • Shoppings vão poder funcionar com as lojas respeitando as faixas de horário

Saúde