PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
15 dias

Dino diz esperar que Queiroga 'mantenha palavra' sobre compra de Sputnik

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), pressiona para que seja liberada a importação de vacinas Sputnik V - Valter Campanato/Agência Brasil
O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), pressiona para que seja liberada a importação de vacinas Sputnik V Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

11/04/2021 21h47

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou hoje que não sabe se o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, manterá o compromisso de compra das vacinas Sputnik V feito por seu antecessor, o general Eduardo Pazuello. "Nós esperamos que a palavra dada pelo ministro anterior seja mantida", disse.

Em entrevista à GloboNews, Dino explicou como as vacinas Sputnik V, que o Fórum de Governadores tenta adquirir, vão se incorporar ao PNI (Programa Nacional de Imunizações). Segundo ele, é unanimidade entre os mandatários que estas doses sejam incorporadas ao programa, mas para isso é preciso que o governo federal aceite e pague pelos imunizantes.

"Nós queremos que as vacinas estejam no PNI e já oferecemos ao governo federal", disse Dino. Ele explicou ainda que, se Queiroga não mantiver o compromisso feito por Pazuello e desistir da compra, os governadores serão impedidos de distribuir as doses a todo o Brasil. "Não podemos empenhar recursos estaduais para além das nossas fronteiras", justificou.

No dia 15 de março, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, apresentou um cronograma no qual previa a compra de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V, que ainda não foi aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Na mesma entrevista, Dino voltou a cobrar a liberação de compra das vacinas. "Basta aplicar a norma da própria Anvisa", disse referindo-se à possibilidade de aquisição de um imunizante que já tenha sido registrado por determinadas agências reguladoras internacionais, que incluem os órgãos da Rússia e da Argentina, países que já usam a Sputnik.

Saúde