PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Ministro da Saúde lamenta marca de 500 mil mortes pela covid no Brasil

Queiroga declarou que trabalha para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível - Jefferson Rudy/Agência Senado
Queiroga declarou que trabalha para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

Do UOL, em Brasília

19/06/2021 15h22Atualizada em 19/06/2021 19h42

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, usou as redes sociais neste sábado (19) para lamentar a marca de 500 mil mortes pela covid-19 registrada no Brasil. O Brasil é o segundo país a ultrapassar a marca de meio milhão de mortes —os Estados Unidos alcançaram este número em fevereiro.

Queiroga declarou que trabalha para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível. "Presto minha solidariedade a cada pai, mãe, amigos e parentes que perderam seus entes queridos", escreveu o ministro no Twitter.

Ministra da Agricultura lamenta mortes

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, republicou a mensagem do ministro da Saúde e lamentou a marca de 500 mil mortes pela covid no país.

Vacinação segue sem coordenação nacional

Quase todas as capitais dos estados brasileiros começaram a vacinar pessoas sem comorbidades e com menos de 60 anos. Apenas Palmas, no Tocantins, ainda não apresentou planos para imunizar esses grupos. Porto Velho também não começou, mas marcou data para iniciar essa vacinação.

A vacinação por faixa etária evoluiu regressivamente até os 60 anos, de acordo com o PNI (Programa Nacional de Imunização). Depois houve uma pausa para atender pessoas com comorbidades, além de outros grupos profissionais específicos. Recentemente os estados voltaram a vacinar por faixas etárias.

Como não há uma coordenação nacional para que todos estados sigam o mesmo ritmo de vacinação, existem grandes diferenças nas faixas etárias imunizadas. Em São Luis, no Maranhão, pessoas com 26 anos já conseguem receber as vacinas. Já em São Paulo, Belo Horizonte e outras duas capitais a vacinação só acontece, atualmente, para pessoas com 58 anos.

Saúde