PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
5 meses

Doria diz que SP não recebeu doses prometidas, e Ministério da Saúde rebate

Henrique Sales, Lucas Borges Teixeira e Rayanne Albuquerque

Do UOL, em São Paulo

11/08/2021 14h04Atualizada em 11/08/2021 19h29

O governo de São Paulo e o Ministério da Saúde voltaram a trocar acusações sobre envios de vacina hoje. O governador João Doria (PSDB) afirmou hoje que o Ministério da Saúde não entregou os 50 mil doses da vacina Pfizer que havia prometido. Já a União diz ter feito ontem uma entrega ao estado que contemplava este lote.

Os governos federal e estadual estão em discordância pública desde a semana passada, quando Doria acusou a Saúde de ter enviado uma remessa 50% inferior do previsto, um déficit de 228 mil doses. Na sexta (6), o secretário estadual, Jean Gorinchteyn, foi à Brasília encontrar o ministro Marcelo Queiroga, mas os dois não chegaram a um consenso.

O Ministério da Saúde não enviou as doses que prometeu enviar a São Paulo. O Ministério da Saúde descumpriu o acordo que fez comigo e com o Jean, feito pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Não entregou nem 228 mil [doses], nem 220 mil e nem 50 mil.
João Doria, governador de São Paulo

Na última quarta (4), o estado denunciou ter recebido apenas 10% da remessa total do ministério, quando o pacto federativo estabelece que, por causa da população, São Paulo fique com 22,6%. Isso resultaria em um déficit de 228 mil doses da Pfizer/BioNTech.

Horas depois, o ministério argumentou que o envio foi menor para compensar. Após a reunião com Gorinchteyn, na sexta, Queiroga disse ainda que São Paulo recebeu mais doses do que deveria. O estado nega.

No meio das tratativas, surgiu esta promessa de envio por parte do ministério, que, ao contrário do que alega Doria, diz ter cumprido a promessa.

"O Ministério da Saúde informa que, ontem [10], foram entregues 241.020 doses da Pfizer ao estado de São Paulo. As 50 mil doses extras estão contempladas nesta distribuição", afirmou a pasta, em resposta ao UOL, após a coletiva paulista.

Além das 50 mil, São Paulo chegue cobrando o total das 228 mil unidades que diz estar em falta. Nesta tarde, Gorinchteyn voltou a ameaçar o Ministério da Saúde de judicialização, mas mais uma vez não estabeleceu prazos.

Após a resposta do ministério, a secretaria paulista confirmou o recebimento das 241 mil doses, mas afirmou ser "a quantidade exata para suprir a necessidade do público previsto na grade de vacinas vigente, que corresponde 23% da população brasileira", e que estas doses "já faziam parte do cronograma". "Assim, não se verifica nenhuma recomposição de doses, mantendo-se a dívida de 228 mil doses", diz a pasta estadual.

Mudança nos números de São Paulo

Conforme o UOL apurou, houve uma mudança nos dados de São Paulo no sistema do Ministério da Saúde na semana passada, em meio ao debate pelas doses. A ferramenta, responsável por contabilizar o envio de vacinas contra o coronavírus aos estados, subtraiu 6,4 milhões de doses enviadas para o estado na comparação entre os dias 2 e 6 de agosto.

A diferença, para mais, ocorreu na véspera do envio de uma nova remessa aos estados, no dia 3 de agosto. A administração estadual reclama ter recebido um quantitativo inferior ao esperado. Procurado, o ministério também não deu explicações.

Indicadores da saúde em SP

Segundo o governo de São Paulo, as taxas de ocupação de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes diagnosticados com covid-19 estão em 45,57% no estado. Na Grande São Paulo, a taxa é menor: 42,79%.

Já o número absoluto de internados em UTI covid hoje é de 4.720 pessoas. Ontem, 4.772 pessoas estavam internadas. Já nas enfermarias 4.458 pessoas estão recebendo atendimento. O número total de casos da doença registados no estado é de 4.138.421. Já o de óbitos é de 141.664.

O impacto de queda em casos, internações e óbitos foi significativo, com 8,1% de queda em casos, 8% em internações e também uma queda de 5,9% no número de óbitos. Precisamos vacinar, continuaremos a vacinar. SP luta pela vida e, nesse momento, lutaremos também pela vacina
Jean Gorinchteyn

46,9 milhões de brasileiros completam vacinação

Cerca de 47 milhões de brasileiros completaram a vacinação contra a covid-19. No total, 46.902.420 pessoas receberam a segunda dose ou a dose única de imunizante, o equivalente a 22,15% da população do país.

Os números foram divulgados ontem pelo boletim produzido pelo consórcio de imprensa do qual o UOL faz parte, que utiliza como base dados fornecidos pelas secretarias estudais de saúde.

Entre segunda-feira (9) e ontem, 746.616 pessoas receberam a segunda dose de vacina, e outras 5.389, a dose única, totalizando 752.005 brasileiros que completaram o ciclo vacinal neste período.

Já a primeira dose foi aplicada em 1.259.076 brasileiros em 24 horas. O total de pessoas parcialmente imunizadas chegou a 109.208.435, o que representa 51,57% da população nacional.

Único estado com mais de 60% de sua população parcialmente vacinada, São Paulo chegou hoje à marca de 62,87% de seus habitantes com a primeira dose.

Quatro vacinas são utilizadas no momento no Brasil. Os laboratórios responsáveis pela produção da CoronaVac, Oxford/AstraZeneca e Pfizer/BioNTech recomendam duas doses de seus imunizantes para uma maior eficiência no combate a doença. A dose única é uma indicação da fabricante da Janssen.

Cidade de São Paulo adianta vacinação

Adultos com 18 anos ou mais serão vacinados na capital paulista no final de semana. A prefeitura da cidade promoverá a Virada da Vacina, com 34 horas de imunização. A medida tem início na manhã do próximo sábado (14) e avançará pela madrugada, seguindo até as 17h do domingo (15).

No sábado, os pontos de vacinação serão abertos de manhã para pessoas com 20 e 21 anos. Das 19h de sábado às 7h de domingo, haverá um mutirão apenas em 14 megadrive-thrus, com vacinação liberada para primeira dose de todas as faixas etárias. Os locais ainda não foram indicados pela prefeitura.

Por questões de segurança, segundo a administração pública, os megadrive-thrus só atenderão pessoas nos carros. A partir das 7h do domingo, a vacinação retoma em toda a rede, excepcionalmente, até as 17h.

Saúde