PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
2 meses

Vacinas de lote suspenso pela Anvisa não causaram intercorrência, diz SP

Governador João Doria (PSDB-SP) durante entrevista coletiva em São Paulo - Reprodução
Governador João Doria (PSDB-SP) durante entrevista coletiva em São Paulo Imagem: Reprodução

Leonardo Martins, Letícia Mutchnik e Manuela Ferraro

Do UOL, em São Paulo

08/09/2021 13h25Atualizada em 08/09/2021 15h22

O governo de São Paulo anunciou hoje que as doses de vacina da CoronaVac já aplicadas na população e que foram suspensas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) não causaram nenhuma intercorrência nas pessoas que receberam o imunizante.

"A qualidade da vacina da Coronavac é incontestável", afirmou em entrevista coletiva hoje no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

No entanto, segundo o secretário de Saúde do estado, Jean Gorinchteyn, a pasta orientou que os municípios que aplicaram alguma vacina deste lote monitorem os pacientes pelos próximos 30 dias.

A população pode ficar tranquila com relação à qualidade desse lote que foi mantido em suspensão pela Anvisa. Todos os lotes, as doses, passaram por rígido controle de qualidade, seja pelo próprio Instituto Butantan, como também pelo instituto nacional de controle de qualidade vinculada à Fiocruz para que dessa forma pudesse ter sido distribuído para os municípios."
Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do estado

"De qualquer forma orientamos os municípios que tem esse dispositivos de doses para que acompanhem esses pacientes pelos próximos 30 dias. Nenhum dos pacientes que recebeu esse imunizante apresentou qualquer reação mínima que fosse", afirmou o secretário.

No último sábado (4), a Anvisa suspendeu de forma cautelar ao menos 25 lotes da vacina CoronaVac envasados em local não vistoriado pela agência. A medida vale por até 90 dias.

No total, a decisão afetou 21 milhões de doses, sendo que 12 milhões já haviam sido distribuídos pelo Instituto Butantan ao PNI (Programa Nacional de Imunização) e outras 9 milhões estavam em processo de envio ao Brasil.

O presidente do Butantan, Dimas Covas, explicou que o laboratório em que as doses foram envasadas, de fato, não foi visitado pela Anvisa, mas que o local é seguro e que a visita da Anvisa já está sendo agendada.

"De fato, desde a última semana estamos trabalhando intensamente junto à Anvisa para regularizar os lotes que foram quarentenados. [As vacinas] foram produzidas na fábrica da Sinovac [Biotec, empresa da China que desenvolveu a CoronaVac], que produz todas suas vacinas, foi submetido ao controle de qualidade dos laboratórios que a Sinovac usa, e todas essas unidades são credenciadas pela Anvisa", explicou.

Segundo ele, o que ocorreu é que a Sinovac colocou em funcionamento de várias linhas de envase esse último lote envasado por uma fábrica nova que não havia sido visitado pela Anvisa, o que gerou o impasse. "Isso está sendo providenciado, documentação está sendo encaminhada e chegada do documento da 'Anvisa chinesa'", concluiu.

"Não há nenhuma pendência, as informações que a Anvisa solicitou foram encaminhadas nesta manhã pelo Instituto Butantan, garantindo segurança desta vacina para a população", completou Doria.

Gorinchteyn ressaltou ainda que a taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) no estado está atualmente em 33%, enquanto na Grande São Paulo o índice é de 35%. Atualmente, 2.785 pacientes estão em UTI, dado menor que os 10.400 no dia 1º de abril de 2021, no pico da segunda onda.

"Esses índices vêm caindo a despeito de haver a variante delta no Brasil, mas principalmente em SP: Isso mostra de forma implacável que a vacina e vacinar mais é a única forma que temos de proteger a nossa população", conclui.

Terceira dose

Desde a última segunda-feira (6), São Paulo iniciou a aplicação da terceira dose de imunizantes contra a covid-19 em idosos maiores de 90 anos e que completaram as duas etapas do calendário vacinal até o dia 6 de março, há seis meses.

No primeiro dia, 99,2% tomaram a CoronaVac, 0,3% a Astrazeneca e 0,1% a Pfizer. O imunizante utilizado para essa dose adicional tornou-se tema de debate após o Ministério da Saúde afirmar que as terceiras doses serão "preferencialmente" com outra vacina de vetor viral, como a da Janssen e a da AstraZeneca.

"[Durante o intervalo] essas pessoas não estão devidamente protegidas para enfrentar a variante delta. Quando nós colocamos como possibilidade o uso da CoronaVac como dose adicional, é com o objetivo de ter mais vacinas especificas, tanto da Pfizer quanto da AstraZeneca, para que nós possamos acelerar essa segunda dose para quem está aguardando sem prejuízo nenhum, pelo contrário, nos estaríamos dando dose adicional para os que necessitam", disse João Gabbardo, coordenador-executivo do Comitê Científico.

Segundo José Osmar Medina, integrante do Comitê Científico do governo de SP, o assunto ainda não tem comprovação cientifica bem sedimentada. "Nem que deve mudar a vacina, nem que não deve mudar a vacina", explicou.

De fato, como o UOL noticiou, estudos sobre terceira dose ainda são recentes e a maioria em pré-print (quando ainda não foram revisados pelos pares), mas apontam que a combinação de vacinas diferentes tem apresentado resultados positivos e indicam que vacinas de RNA mensageiro, como a Pfizer e Moderna, aumentam os anticorpos neutralizantes do vírus.

"Acompanhamos 12 mil pacientes transplantados, e 21% deles adquiriram a covid-19. A cada 4 pacientes transplantados que adquiriram a doença, um morreu. Na população em geral, isso é dez vezes menor", afirmou ao anunciar um estudo específico para a melhor imunização deste grupo.

De acordo com os dados levantados, mesmo após a segunda dose, a soroconversão [produção de anticorpos] dos transplantados se mantinha baixa, em 45% — cerca de 2 vezes menor do que a da população geral (98%). Com a terceira dose, o índice subiu para 53%. "Agora estamos até imaginando que o paciente transplantado que não teve soroconversão vai precisar tomar uma quarta dose, utilizando a mesma plataforma vacinal que é a Coronavac", afirma Medina.

"Nós vamos comparar o estudo que nós estamos fazendo com a CoronaVac e ver se a resposta é diferente ou não. Isso nos pacientes transplantados que receberam a primeira e a segunda dose de outras vacinas, da Pfizer e AstraZeneca, ou da Moderna", explicou.

A médica e diretora clínica do Hospital das Clínicas, Heloísa Bonfá, ressaltou a prioridade em estudar as vacinas especificas para antecipar a segunda dose: "Principalmente da população adulta, o motivo disso é que já foi amplamente demonstrado que, para todas as vacinas, a segunda dose é essencial para a proteção, principalmente contra a variante delta".

"A mensagem é de que, primeiro, é preciso ter a vacinação de todos. Nós temos praticamente 100% da população adulta respondendo a primeira dose e mais de 54% com as doses completas, e precisamos caminhar da forma mais rápida possível para ter essa cobertura e ao mesmo tempo reforçar o sistema imunológico daqueles mais vulneráveis", concluiu Paulo Meneses.

Saúde