PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
2 meses

Laboratório vai verificar variante de passageiro da África em ao menos 72 h

Okan Celik/Istock
Imagem: Okan Celik/Istock

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo

28/11/2021 19h41

Os cientistas do Instituto Adolfo Lutz, laboratório do governo de São Paulo, têm em mãos a amostra genética do teste do passageiro com covid-19 vindo da África do Sul e analisarão, em um prazo de 72 h (três dias) a 96 h (quatro dias), qual é a variante que infectou o homem.

O paciente, que não teve a identidade revelada, desembarcou ontem (27) no aeroporto de Guarulhos, onde testou positivo para a covid. Por ele ter vindo da África, onde a variante ômicron foi primeiro detectada, logo foi isolado e coletou novo exame para verificar se o vírus que o infectou é da nova cepa.

Logo depois, a Anvisa notificou os Centros de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde nacional, estadual e municipal. A Vigilância Epidemiológica de Guarulhos também foi acionada para acompanhamento do caso.

Ao UOL, o secretário de Saúde paulista, Jean Gorinchteyn, explicou o processo de análise do Adolfo Lutz. "Após a nova coleta, há uma análise de abertura genética. O material genético do vírus é amplificado e, assim, é possível analisar se há uma mutação e qual é essa mutação."

O secretário afirmou à Folha que o paciente está com o esquema vacinal completo e, segundo relatos, estaria assintomático.

Sendo ou não a nova variante, afirma o secretário, o protocolo sanitário a ser seguido pelo paciente é o isolamento comum. As pessoas que tiveram contato próximo com esse homem também foram orientadas a permanecer em quarentena.

"A única nova questão, que pode ajudar a entender o vírus, é que se for a nova variante, o passageiro veio assintomático e com esquema vacinal completo. De forma indireta, pode-se dizer que as vacinas têm poder de proteção que imaginamos", completa.

A expectativa da chegada da variante ômicron ao Brasil movimenta os bastidores do governo paulista desde semana passada. Discussões e protocolos de prevenção estão sendo esquematizados para tentar controlar o espalhamento da cepa do vírus pelo estado.

Uma das ideias que estão sendo discutidas e deve ser implementada é isolar alas de internação do Hospital de Guaianases, na zona leste da capital paulista, para que elas fiquem voltadas às pessoas que eventualmente sejam infectadas pela ômicron e desenvolvam quadros mais graves.

Saúde