PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
3 meses

SC: Menina é vacinada segurando foto da prima que morreu de covid-19

Giorgio Guedin

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

25/01/2022 17h59

O fim de manhã de hoje foi especial para Isabelle Lucia Rabello, de 7 anos. A menina tomou a primeira dose da vacina contra a covid-19, em Criciúma (SC), segurando uma foto da prima, Emanuelle, que não teve a mesma oportunidade. Ela morreu em março do ano passado em decorrência da doença.

A própria garota teve a ideia de homenagear a prima quando soube que tomaria a primeira dose. "Eu disse assim: 'Ô, mãe, quando eu for tomar a vacina, eu quero levar a foto da Manu para me sentir melhor'", afirmou Isabelle ao UOL.

No vídeo, gravado pela família no posto de saúde, a menina faz um pedido: "As mães que amam seus filhos, vem vacinar! Para não acontecer o que aconteceu com a minha prima".

Sem esconder a própria satisfação de ver o último dos seus seis filhos tomando a primeira dose, a mãe, Denise Galdino, pergunta ainda se ela está feliz em tomar a vacina. A criança afirma que sim.

"Foi muito gratificante por tudo o que a gente passou, e agora ter uma chance de tomar a vacina", afirmou Denise ao UOL.

A filha não escondia da mãe a preocupação por ainda não ter sido vacinada contra o novo coronavírus. "Ela estava sempre perguntando quando é que era o dia da vacina, pois ela estava vendo na TV bastante criança indo se vacinar e isso a deixava na expectativa ", recordou a mãe.

Denise, que sofre com o luto de perder um parente tão próximo, considera preocupante o caso de algumas mães que fazem campanha contra a vacina: "Eu acho que não é nem justo com os filhos da gente privá-los dessa opção [de tomar o imunizante], pois é uma opção de vida. Para os filhos terem uma vida melhor", argumentou.

Primas eram muito unidas

Mesmo quase um ano após a morte, Isabelle ainda sente a perda da prima. Com apenas meio ano de diferença de idade, as meninas estudavam juntas - elas iriam para o segundo ano do ensino fundamental em 2022. "Ela ainda chorou no postinho, antes de tomar a vacina. Elas faziam praticamente tudo juntas. Uma era bem presente na vida da outra", afirmou Denise.

Emanuelly Galdino Pedro morreu em 24 de março de 2021, cerca de duas semanas após apresentar os primeiros sintomas da covid-19. Nesse período também teve diagnóstico de leucemia, que era branda, tratável, com procedimentos de quimioterapia. Contudo, por conta da infecção pelo novo coronavírus, o quadro clínico da menina se agravou em poucos dias e ela não resistiu.

Saúde