PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Varíola dos macacos: SP discute com Saúde quem receberá primeiras doses

varíola dos macacos, monkeypox, vacina - iStock
varíola dos macacos, monkeypox, vacina Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

04/08/2022 13h10Atualizada em 04/08/2022 13h29

O governo de São Paulo debate com o Ministério da Saúde qual será o público-alvo das primeiras doses da vacina contra a varíola dos macacos no Brasil. A expectativa é que o país receba 50 mil doses por meio da OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde) em agosto.

O secretário estadual de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde, David Uip, e o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn, afirmam ter reunião marcada amanhã (5) com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para falar sobre o assunto.

Segundo Uip, há duas vacinas sendo fabricadas no mundo contra a doença. Devido à alta demanda —que inclui diversos países—, a obtenção de doses para o Brasil tem sido custosa tanto para o governo federal quanto para o estadual.

"O ministério conseguiu adquirir 50 mil doses, que vacinarão 25 mil pessoas. Estamos discutindo junto ao ministério quais serão as populações-alvo no primeiro momento", disse o infectologista David Uip em coletiva de imprensa na manhã de hoje (4). A ideia é que as vacinas sejam distribuídas pelo SUS (Sistema Único de Saúde), em uma campanha nacional.

Não adianta criar expectativa que de uma hora para outra vamos vacinar o país."
David Uip, secretário de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde

O Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, negocia parcerias com outros laboratórios ao redor do mundo para viabilizar a produção da vacina contra a varíola dos macacos em território nacional. Por enquanto, ainda não houve avanço nas conversas, conforme apurou o UOL.

"O Butantan e o ministério negociam o envio da IFA [insumo utilizado na produção do imunizante] para que a gente possa cogitar que tanto Butantan quanto Fiocruz produzam a vacina no Brasil", completou Uip.

Ação conjunto entre governo e prefeitura

A coletiva de imprensa, foi feita em conjunto com a Prefeitura de São Paulo, para divulgar as ações e planejamentos nos âmbitos estadual e municipal no combate à doença.

Um grupo com 24 especialistas, que fazem parte do Centro de Controle e Integração, foi designado para assessorar as ações de combate à varíola dos macacos. Entre os especialistas, encontram-se epidemiologistas, virologistas, infectologistas e professores universitários, segundo o governo paulista.

O Estado anunciou ainda uma rede integrada para diagnóstico da doença. Antes, apenas o laboratório Adolfo Lutz emitia diagnósticos. A partir de agora, o Instituto Butantan e laboratórios privados e universitários poderão realizar testagem da varíola dos macacos.

Também foram anunciadas medidas de treinamento para os profissionais da saúde de diferentes áreas, para que haja integração na conduta médica de recepção, diagnóstico e tratamento dos pacientes em cada unidade de saúde.

Saúde