Topo

Pandemia de gripe aviária pode ocorrer a qualquer momento, afirma estudo

Kate Kelland

Em Londres

2012-06-21T16:46:07

21/06/2012 16h46

O mundo ainda não viu uma forma mortal do vírus da gripe aviária que possa se espalhar facilmente entre humanos e provocar um surto global, mas isso não significa que não vai acontecer, disseram cientistas nesta quinta-feira (21).

Depois de estudarem quinze anos de dados sobre o vírus da gripe aviária na natureza, os pesquisadores disseram que algumas cepas já estavam a meio caminho de adquirir um punhado de mutações necessárias para se transformar em uma forma que poderia provocar uma devastadora pandemia em humanos.

"As mutações remanescentes poderiam evoluir em um único hospedeiro humano, fazendo de um vírus que se desenvolve na natureza uma ameaça potencialmente séria", disse a jornalistas Derek Smith, que liderou a pesquisa da Universidade de Cambridge na Grã-Bretanha.

Atualmente a gripe aviária, ou o H5N1, pode ser transmitido de aves para aves, e de aves para humanos, mas não de humanos para humanos. Quando passa de aves para humanos é geralmente fatal.

Dois estudos anteriores, de pesquisadores nos Estados Unidos e na Europa, descobriram que com apenas cinco mutações o vírus H5N1 pode se tornar transmissível pelo ar entre mamíferos, potencialmente incluindo a transmissão de pessoa a pessoa.

O trabalho deles causou controvérsia porque eles manipularam os vírus no laboratório para produzir novas cepas mutantes.

Até agora os cientistas não estavam certos se essas mesmas mutações poderiam se desenvolver na natureza.

Mas o pesquisador Colin Russell disse que o estudo que fez com Smith, publicado na quinta-feira no periódico Science, mostrava que era possível.

"Vírus que têm duas dessas mutações já são comuns em aves, o que significa que há vírus que teriam que obter apenas três mutações adicionais em um humano para se tornar transmissível pelo ar", ele disse a repórteres.

Até agora, o vírus H5N1, que foi detectado pela primeira vez em Hong Kong em 1997, já infectou dezenas de milhões de patos, gansos, galinhas e outras aves. As pessoas que foram infectadas - até agora houve 606, das quais 357 morreram - o foram, na maior parte, por ter contato próximo com as aves.
 

Mais Ciência e Saúde