Estudo aponta morte de 35% da Grande Barreira de Corais australiana

Sydney, 30 Mai 2016 (AFP) - Ao menos 35% dos corais das zonas norte e centro da Grande Barreira de Corais australiana morreram ou estão morrendo devido a um episódio de branqueamento de grande magnitude, anunciaram cientistas nesta segunda-feira.

Os especialistas chegaram a esta conclusão após meses de vigilância aérea e submarina do maior recife de coral do mundo, que sofreu fortemente em março com o aquecimento da água.

O professor Terry Hughes, especialista em recifes de coral da Universidade James Cook de Townsville (nordeste), no Estado australiano de Queensland, afirmou que o aquecimento global está devastando um dos lugares mais emblemáticos da Austrália.

"Descobrimos que, em média, 35% dos corais morreram ou estão morrendo em 84 recifes que estudamos nas zonas norte e centro da Grande Barreira, entre Townsville e Papua Nova Guiné", alertou, em um comunicado, assinado por três grandes universidades.

"É a terceira vez em 18 anos que a Grande Barreira de Corais vive um episódio grave de branqueamento devido às mudanças climáticas, e o episódio atual é mais extremo que os constatados no passado".

É necessária ao menos uma década para que os corais se recuperem, "mas levará muito mais tempo para recuperar os corais maiores e mais antigos que morreram", acrescentam os cientistas.

O aumento da temperatura da água provoca a expulsão das algas simbióticas que fornecem cor e alimento aos corais.

Se a água esfriar, os recifes podem se recuperar, mas se o fenômeno persistir correm o risco de morrer.

A UNESCO esteve prestes a incluir este local, que integra o Patrimônio da Humanidade e se estende sobre 345.000 quilômetros quadrados, na lista de lugares em risco.

Um porta-voz do ministério australiano do Meio Ambiente, Greg Hunt, havia declarado em meados de maio que o governo tentava "mais do que nunca" proteger este recife.

Na semana passada, foi revelado que Canberra atuou para que todas as referências à Austrália, incluindo a Grande Barreira de Corais, sejam retiradas de um relatório da ONU sobre as consequências do aquecimento global em locais inscritos como Patrimônio da Humanidade.

Canberra alegou que comentários negativos impactam no turismo, o que provocou a indignação de ativistas, que acusaram o governo de "enganar os australianos no que se refere às ameaças graves para o futuro da nossa maior maravilha natural".

A Grande Barreira é ameaçada pelo aquecimento global, os dejetos agrícolas, o desenvolvimento econômico e a proliferação de acanthasters, estrelas de mar com espinhos que destroem os corais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos