EUA: ataque em Dallas expõe onda de extremismo e intolerância

Miami, 9 Jul 2016 (AFP) - Uma manifestação contra o racismo em Dallas acaba com cinco policiais mortos nas mãos de um extremista negro. Enquanto isso, supremacistas brancos crescem como fungos nos Estados Unidos. A intolerância está levando o país por um caminho preocupante, segundo grupos de direitos humanos.

As tensões raciais, a desconformidade com a elite política e as dificuldades econômicas são os motores da polarização no país, disse à AFP Mark Potok, analista da Southern Poverty Law Center (SPLC), uma prestigiosa ONG que monitora os grupos racistas e de ódio nos Estados Unidos.

Micah Johnson, o jovem identificado como autor dos disparos que deixaram cinco policiais mortos na quinta-feira à noite em Dallas, Texas, simpatizava com grupos violentos de separatistas negros, informou a SPLC na sexta-feira.

Dizendo que a sua intenção era matar policiais brancos, Johnson converteu em um banho de sangue um protesto já tenso pelas mortes de dois homens negros inofensivos por policiais em Luisiana e Minnesota, em dois episódios separados ocorridos nesta semana.

Os negros separatistas são grupos "geralmente muito pequenos, mas muito antissemitas, muito antibrancos e muito antigays", explicou Potok, autor de um estudo da SPLC sobre o aumento de grupos de ódio no último ano.

Apesar de não estarem vinculados ao movimento pacífico Black Lives Matter (BLM), esses grupos se beneficiaram da sua popularidade, acrescentou o especialista.

Os separatistas negros "são muito diferentes dos grupos de centro-esquerda" como o BLM, que nasceu como reação aos episódios onde agentes de polícia matam negros desarmados.

Micah Johnson seguia no Facebook os grupos de ódio New Black Panther Party (NBPP), a Nação do Islã e o partido Black Riders Liberation.

O NBPP culpa os judeus pelos ataques de 11 de setembro e afirma que os brancos planejam um genocídio contra todas as pessoas não brancas, de acordo com a SPLC. A Nação do Islã também é conhecida pelo seu virulento antissemitismo e ódio aos brancos.

Milicianos, supremacistas brancos, islamistas radicais, neonazistas e extremistas em geral passaram de 784 grupos em 2014 para 892 em 2015, um aumento de 14%. Este número representa o dobro dos 457 grupos de ódio que havia em 1999.

Entre eles, os racistas, secessionistas e nacionalistas brancos são maioria. Em particular, o Ku Klux Klan quase triplicou no ano passado: de 72 grupos que se identificam como afiliados ao KKK em 2014 para 190 em 2015.

Os separatistas negros representam 20% do total de grupos de ódio, e passaram de 113 agrupações em 2014 para 180 no ano passado. Seu combustível é a ira gerada pelas mortes injustificadas de homens negros por policiais brancos.

Referindo-se à morte de Alton Sterling e Philando Castile pela polícia nesta semana, o presidente Barack Obama disse na quinta-feira: "Estes não são incidentes isolados. São sintomáticos de desafios mais amplos (...) e das desigualdades raciais".

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, vem para acrescentar mais tensão a essa onda de intolerância, com seu discurso anti-imigrantes, antimuçulmanos e ultimamente apontado também como antissemita.

"A retórica que faz parte desta campanha eleitoral é muito preocupante (...) porque cria um ambiente onde o extremismo se torna tolerável", disse à AFP Scott Simpson, porta-voz da Conferência de Direitos Civis e Humanos, a maior coalizão de defesa dos direitos humanos no país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos