Colômbia vive primeiro dia de silêncio definitivo dos fuzis das Farc

Bogotá, 29 Ago 2016 (AFP) - A Colômbia vive nesta segunda-feira, entre a emoção e a prudência, o primeiro dia de silêncio definitivo dos fuzis das Farc após 52 anos de conflito armado, depois do histórico acordo de paz alcançado entre o governo e esta guerrilha marxista.

"Neste 29 de agosto começa uma nova história para a Colômbia. Silenciamos os fuzis. "A GUERRA COM AS FARC ACABOU!", escreveu o presidente Juan Manuel Santos no Twitter um minuto depois da entrada em vigor do cessar-fogo e do fim das hostilidades.

"Acabou a guerra na Colômbia com as Farc!" - exclamou o Alto Comissário para a Paz, Sergio Jaramillo, ao destacar o "momento extraordinariamente importante" que supõe o cessar-fogo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

"Muitas vidas serão salvas com este grande passo que damos hoje", declarou Jaramillo em entrevista coletiva na casa presidencial de Nariño, enquanto o chefe negociador do governo, Humberto de la Calle, se dizia com os sinos e sirenes tocando para marcar o fim do conflito".

"Começou a alvorada da paz", tuitou o negociador das Farc Iván Márquez.

Desde as meia-noite (02h00 de Brasília) está em vigor em todo o país o cessar-fogo bilateral e definitivo, ordenado conjuntamente por Santos à força pública, e pelo líder das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) Timoleón Jiménez as suas tropas guerrilheiras, no encerramento de quase quatro anos de negociações em Cuba.

"A partir deste momento começa o fim bilateral e definitivo", indicaram as Farc no Twitter.

A medida, decretada na sexta-feira por Santos com evidente alegria, foi replicada no domingo a partir de Havana pelo chefe das Farc com igual emoção, colocando fim, assim, a uma conflagração fratricida de mais de meio século que deixou centenas de milhares de vítimas, entre mortos, desaparecidos e deslocados.

Embora as negociações em Cuba tenham transcorrido sem uma trégua na Colômbia, as Farc mantinham desde 20 de julho de 2015 um cessar-fogo unilateral, à qual o governo respondeu com a suspensão dos bombardeios aéreos, embora sem deixar de persegui-las.

O Alto Comissário de Paz, Sergio Jaramillo, explicou que as partes projetaram um protocolo para aplicar a partir desta segunda-feira e "dar garantias a todos os colombianos do cumprimento do cessar-fogo".

Este protocolo inclui propiciar que a missão das Nações Unidas que verificará o cessar-fogo "seja mobilizada o mais rápido possível" em todo o país e que as Farc comecem o "agrupamento de todas as suas unidades" em pontos pré-determinados, cujas coordenadas serão informadas à ONU, "para garantir que o referendo seja realizado da melhor forma possível", disse Jaramillo.

"É muito bom, porque foram como 50 anos de guerra (...) e já, já Deus queira que se viva tranquilo e que tudo se normalize. É isso que queremos: uma Colômbia tranquila, saudável", disse à AFP Luis Jiménez, um mecânico da zona rural do norte do Cauca, testemunha por toda a sua vida da violência do conflito armado.

- "Não temos segurança" -A decisão se inclui no pacto de paz anunciado na quarta-feira passada em Havana, que para se tornar efetivo deverá ser aprovado em um referendo em 2 de outubro. Muitos colombianos, liderados pelo ex-presidente de direita e atual senador Álvaro Uribe, se opõem ao acordo por considerar que levará impunidade.

Outros não ocultam seu ceticismo.

"Não acredito que se possa acreditar (nas Farc). É provável que tenham decidido deixar as armas, mas não temos segurança de que não vão começar uma guerra política", disse Felipe Giraldo, de 25 anos e desempregado, que vive em Bogotá.

- Assinar a paz na Assembleia da ONU? -Santos e Timoleón Jiménez 'Timochenko' ainda deverão assinar o acordo final de paz, entre 20 e 30 de setembro em um lugar até o momento indefinido.

A chanceler María Ángela Holguín disse nesta segunda-feira que as partes avaliam "se pode ocorrer uma assinatura no âmbito das Nações Unidas, da Assembleia Geral", que será realizada a partir de 20 de setembro em Nova York.

"Não é uma decisão tomada, também não é algo fácil", afirmou a chanceler.

As Farc compartilharão com suas tropas o acordo em sua décima e última conferência, antes de se tornarem um movimento político legal. O encontro será realizado entre 13 e 19 de setembro em San Vicente del Caguán, ex-reduto da guerrilha no sul da Colômbia, na presença de 200 delegados, entre eles os 29 membros de seu comitê central.

O secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, propôs nesta segunda-feira uma cúpula regional pela paz e a integração após o acordo celebrado entre o governo da Colômbia e as Farc.

"Penso que seria muito interessante que desde este recinto emblemático da Unasul possamos acertar a celebração de uma cúpula sul-americana pela paz e a integração", disse Samper em entrevista coletiva na sede do organismo, no subúrbio de Quito.

O ex-presidente colombiano (1994-98) acrescentou que o encontro de presidentes "seria uma excelente oportunidade para celebrar os méritos deste acordo de paz celebrado na Colômbia, para encontrar os caminhos de convivência entre nós".

A cúpula proposta por Samper será apresentada aos chanceleres dos 12 países que integram o bloco: Brasil, Argentina, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.

bur-lda/val/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos