Austrália frustra "complô terrorista" para o dia de Natal

Sydney, 23 dez 2016 (AFP) - A polícia australiana prendeu sete pessoas que planejavam vários atentados no dia de Natal no centro de Melbourne, um "complô terrorista" inspirado no grupo extremista Estado Islâmico (EI).

O chefe de polícia do estado de Victoria, Graham Ashton, afirmou que os detidos planejavam atacar com explosivos, armas de fogo e facas vários pontos emblemáticos da cidade, como a estação ferroviária de Melbourne, a Praça da Federação e a Catedral de Saint-Paul.

"Nessas últimas duas semanas, fizemos uma investigação criminal sobre a formação do que pensamos ser um complô terrorista", disse Graham Ashton à imprensa.

"Achamos que havia intenção de lançar um ataque de modalidades múltiplas, provavelmente no dia de Natal... que incluía a utilização de explosivos, e acreditamos dispor de provas", acrescentou.

Os investigadores avaliam que os suspeitos pretendiam utilizar outros tipos de armamento, como facas e armas de fogo.

Todos os alvos deste "complô terrorista" ficam no centro de Melbourne, perto de um estádio de críquete onde são esperadas quase de 100 mil pessoas para a partida entre Austrália e Paquistão, no dia 26 de dezembro.

Dos sete detidos na madrugada desta sexta-feira, cinco permanecem presos. Todos estavam há várias semanas sob vigilância.

Dos cinco suspeitos na prisão, todos na casa dos 20 anos, quatro nasceram na Austrália têm origem libanesa, e o quinto é um australiano nascido no Egito.

- 'Inspirados pelo EI' -"Consideramos que, certamente, eles se radicalizaram sozinhos, ainda que inspirados no Estado Islâmico e em sua propaganda", disse Graham Ashton.

"Se não tivéssemos desbaratado o ataque, teria sido muito grave, não há dúvida", completou o chefe de polícia.

Ashton afirmou que o potencial atentado poderia ter provocado um "grande número de mortos e feridos".

A Austrália elevou seu nível de alerta após o atentado de segunda-feira que deixou 12 mortos em uma feira de Natal em Berlim, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico.

O suposto autor do atentado, o tunisiano Anis Amri, foi morto na madrugada desta sexta-feira em um posto de controle policial em Milão, anunciaram as autoridades italianas.

Em Camberra, a capital australiana, uma caminhonete repleta de botijões de gás explodiu diante da sede de uma organização cristã na quarta-feira, apesar da polícia considerar que o incidente não teve motivação política ou religiosa.

O primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, agradeceu os serviços de segurança por terem evitado esta possível catástrofe.

"Foi um dos complôs terroristas mais importantes que já frustramos nos últimos anos", afirmou.

Nos últimos dois anos, a Austrália desbaratou 12 tentativas de atentados em seu território, segundo as autoridades. Mas quatro ataques foram executados, incluindo o assassinato de um policial em Sydney no ano passado.

A polícia antiterrorista realizou várias detenções desde o fim de 2014. A idade (todos muito jovens) e o nível de radicalização das pessoas detidas provocam grande preocupação entre as autoridades.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos