Presidente filipino afirma que pode ampliar lei marcial

Manila, 24 Mai 2017 (AFP) - O presidente filipino, Rodrigo Duterte, afirmou nesta quarta-feira que poderia estender a lei marcial ao conjunto do país, depois de decretar o regime de exceção para o sul do arquipélago para combater a insurreição islamita.

"Poderia declarar lei marcial em todo o país para proteger a população", declarou o chefe de Estado à imprensa.

Duterte anunciou na terça-feira à noite a imposição da lei marcial na região de Mindanao, que tem quase 20 milhões de de habitantes, depois que rebeldes que juraram lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) invadiram uma cidade do sul do país.

Combatentes islamitas provocaram o caos na cidade de Malabang e decapitaram o chefe de polícia local, afirmou o presidente do país.

"O chefe de polícia de Malabang foi detido quando voltava para casa em um posto de controle operado por terroristas e acredito que o decapitaram no local diretamente", disse Duterte, para justificar a lei marcial no sul das Filipinas.

O presidente afirmou que o ataque aconteceu perto da cidade de Marawi, que está cercada por militantes islamitas.

Os confrontos explodiram na terça-feira, depois que as forças de segurança filipinas invadiram uma casa de Marawi na qual acreditavam que estava escondido um dos líderes do grupo islamista Abu Sayyaf e número um do Estado Islâmico nas Filipinas, Isnilon Hapilon.

Mais de 100 homens armados responderam e incendiaram edifícios, além de outras manobras de distração, anunciaram as autoridades.

A polícia informou que um oficial e dois soldados morreram nos combates e ao menos oito militares ficaram feridos.

No entanto, não estava claro se a emboscada contra o chefe de polícia local estava incluída no balanço.

Rodrigo Duterte disse ainda que estava examinando a possibilidade de impor a lei marcial em um dos três arquipélagos principais das Filipinas, conhecido como Bisayas, porque a região fica muito próxima de Mindanao.

Também considerou a possibilidade de aplicar o regime de exceção na terceira ilha do norte das Filipinas, Luzon, e na capital Manila.

Duterte advertiu que a lei marcial seria similar à norma militar imposta pelo ditador Ferdinand Marcos.

A lei de duas décadas de Marcos terminou em 1986, quando milhões de pessoas saíram às ruas na famosa revolução conhecida como "People Power".

Duterte afirmou que sua própria versão da lei marcial significa que as forças de segurança poderão realizar buscas e detenções sem ordens judiciais. Também anunciou toques de recolher em algumas províncias de Mindanao.

ajm-kma/eb/ra/bc/acc/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos