EUA acusam rebeldes pró-Rússia de intimidar observadores na Ucrânia

Washington, 23 Jun 2017 (AFP) - Os Estados Unidos acusaram nesta quinta-feira os rebeldes pró-Rússia do leste da Ucrânia de realizar uma campanha de "violência e assédio" contra os observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Washington está "profundamente preocupado" sobre a situação, disse a porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert, assegurando que estes rebeldes estão sendo "conduzidos, financiados e treinados pela Rússia".

Um cessar-fogo entre as forças do governo de Kiev e os separatistas deve ser implementado sob a supervisão da OSCE neste fim de semana.

Mas outras tentativas de cessar-fogo fracassaram anteriormente e os Estados Unidos acusam os separatistas e, por consequência, a Rússia, de intimidar os observadores para esconder a verdade do que acontece no terreno.

"Fazemos um pedido à Rússia para que utilize a sua influência e acabe com esta campanha de intimidação e, assim, honre com seu compromisso de permitir um livre e seguro acesso aos observadores da OSCE", exortou Nauert.

Cerca de 600 observadores da OSCE são responsáveis por supervisionar o cumprimento dos acordos de paz no leste da Ucrânia, onde mais de 10.000 pessoas morreram desde o início do conflito, em abril de 2014.

Nauert recordou que um médico americano morreu em abril depois da explosão de uma mina, obrigando a OSCE a limitar o patrulhamento na região.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos