Puigdemont defende participação nas eleições catalãs convocadas por Madri

Bruxelas, 31 Out 2017 (AFP) - O presidente separatista destituído da Catalunha, Carles Puigdemont, defendeu nesta terça-feira que os cidadãos participem nas eleições catalãs convocadas pelo governo central de Madri e pediu que se "desacelere" o processo de independência regional para evitar a violência na região.

Puigdemont esclareceu ainda que não irá pedir asilo político na Bélgica.

"Não estou aqui para pedir asilo político", mas "para poder reagir com liberdade e segurança", disse Puigdemont em uma coletiva de imprensa quatro dias após a proclamação de independência da região autônoma, e um dia depois de a Procuradoria espanhola anunciar que irá processá-lo por rebelião e sedição, o que poderia resultar em 30 anos de prisão.

Ele não esclareceu quanto tempo permanecerá em Bruxelas, ao falar de falta de garantias na Espanha.

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, assegurou nesta terça que Puigdemont "será tratado como qualquer cidadão europeu, com os mesmos direitos e deveres, nem mais nem menos".

O líder separatista, que afirma ser o legítimo presidente da Catalunha, defendeu desacelerar o processo de secessão para evitar males maiores em resposta à ofensiva política e judicial do governo central de Mariano Rajoy.

"Não se pode construir a república de todos com base na violência", disse Puigdemont, acrescentando: "Se essa atitude tem como preço desacelerar a implantação da república, devemos considerar que esse é um preço razoável".

Finalmente, Puigdemont convidou os separatistas a participar das eleições regionais de 21 de dezembro, eliminando a dúvida sobre se boicotaria a votação convocada pelo governo central espanhol.

"As eleições do dia 21 são um desafio que assumimos com todas as nossas forças", disse Puigdemont, pedindo a Madri que respeite o resultado das eleições caso vencessem as eleições novamente.

A última aparição pública do líder catalão aconteceu no sábado, no dia seguinte à proclamação da república no Parlamento catalão, ignorando as advertências do governo e da justiça espanholas.

Depois, Puigdemont viajou para Bruxelas, sem fornecer explicações.

Em uma Catalunha profundamente dividida sobre a independência, e com a oposição frontal do governo espanhol e da União Europeia à separação, a proclamação de independência não se traduziu em nada concreto.

- Independência desvanece -Na região autônoma é crescente o sentimento de fracasso da proclamação de independência, e os principais partidos separatistas já confirmaram que vão participar nas eleições de 21 de dezembro.

É "uma oportunidade a mais para sermos ouvidos, fazer-nos ouvir em todos os lugares. Somos os defensores da democracia", disse à televisão catalã TV3 Oriol Junqueras, o vice-presidente catalão destituído e líder do ERC (Esquerda Republicana da Catalunha), que lidera as pesquisas.

Um membro do Executivo de Puigdemont que renunciou na quinta-feira por não concordar com uma declaração unilateral, Santi Vila, enfatizou que a proclamação da independência fracassou.

"Vamos analisar os fatos, se você precisa pegar um avião, fará o que fará", disse à RAC1, aludindo ao fato de que não há controle de fronteiras.

"Não creio que possamos usar a palavra enganação, mas é verdade que tenho colegas do governo que mostraram uma ingenuidade que surpreende pela idade que têm".

- Causas judiciais contra os separatistas -Na Espanha, a Justiça segue atuando contra os líderes separatistas.

O Tribunal Constitucional espanhol suspendeu de forma cautelar, nesta terça-feira, a declaração de independência da Catalunha, ao acatar um recurso apresentado pelo governo espanhol, segundo informou uma fonte judicial.

"A plenária do tribunal acaba de suspender cautelarmente a declaração de independência", disse a mesma fonte.

Além disso, a presidente destituída do Parlamento catalão, Carme Forcadell, vai ser convocada em breve pelo Supremo Tribunal espanhol para ser indiciada.

Um magistrado convocou Carme Forcadell e os cinco outros membros do gabinete de presidentes do Parlamento catalão, indicou uma fonte judicial. Eles são esperados nos dias 2 e 3 de novembro, acompanhados de seus advogados.

Finalmente, a Guarda Civil realizou buscas na sede da polícia catalã e suas delegacias em busca de dados sobre suas comunicações no dia do referendo inconstitucional de 1º de outubro, indicou à AFP um porta-voz do corpo.

O papel da polícia catalã foi criticado por fontes da Guarda Civil que a acusou de não cumprir as ordens de impedir o referendo.

Josep Lluis Trapero, chefe da polícia catalã destituído no marco da intervenção da Catalunha por parte do governo central, está em liberdade provisória após ser indiciado por sedição.

mla-dbh-al/mck/acc/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos