Golfe, tuítes e política: assim são as férias de Trump na Flórida

Washington, 30 dez 2017 (AFP) - O presidente americano, Donald Trump, passa suas férias de fim de ano em seu clube Mar-a-Lago, na Flórida, um lugar tranquilo, mas que não é sinônimo de silêncio para o dirigente, que se manifesta diariamente nas redes sociais.

O magnata chegou há uma semana, acompanhado de sua mulher, a primeira-dama Melania. Desde então, tem tido praticamente a mesma rotina.

Pouco antes das nove da manhã, a comitiva presidencial sai de Mar-a-Lago e pega a ponte que conecta a ilha de Palm Beach e o continente com destino ao Trump International Golf Club, em West Palm Beach, a aproximadamente 10 minutos de carro.

Os apoiadores do presidente lhe esperam todos os dias na ponte com cartazes de "Trump 2020", "O melhor presidente" e "Hillary na prisão". É mais difícil ver os críticos se manifestarem, mas uma mulher vestida com uma camiseta com a palavra "Resistir" também esperou por ele uma manhã em frente ao campo de golfe.

Nas cenas gravadas pela rede de televisão CNN na terça-feira passada (26), pode-se ver o presidente com seu habitual traje de jogar golfe: camisa polo branca, calça preta e um boné vermelho, que se transformou em emblema de sua campanha. Ele dirige o próprio carrinho de golfe.

Alguns amigos, seu filho Eric, um senador republicano e, o mais importante, muitos golfistas profissionais, incluindo Jim Herman, fazem companhia ao presidente.

Mais tarde, Trump toma café em um restaurante do clube de golfe, o Grill Room.

Foi ali que, na quinta-feira (28), ele deu uma entrevista improvisada ao repórter do jornal "The New York Times", Michael Schmidt, sentado em uma grande mesa redonda, enquanto seus amigos e outros conhecidos cumprimentavam-no. Uma entrevista de meia hora, particularmente sobre o caso da suposta ingerência da Rússia nas últimas eleições presidenciais.

Cerca de duas da tarde, o presidente volta para Mar-a-Lago. Apenas no dia de Natal não programou jogar golfe, preferindo assistir a uma missa e visitar uma estação de bombeiros local.

- Contra a Amazon -Os muitos tuítes geralmente começam pela manhã, antes do golfe e, depois, são retomados à tarde e à noite: Donald Trump se negou a conceder qualquer trégua no Natal.

Críticas à Polícia Federal americana (FBI), promoção de seu balanço econômico, "massacre" extremista do grupo Estado Islâmico (EI), Coreia do Norte, ataque contra a revista "Vanity Fair": Donald Trump tuíta e retuíta mais de 40 vezes em uma semana.

Na manhã da última sexta-feira, achou uma nova vítima: o serviço de correios americano e a Amazon.

"Por que o Correio dos Estados Unidos, que perde bilhões de dólares por ano, cobra tão pouco da Amazon e de outros para entregar seus pacotes, enriquece a Amazon e faz que o correio seja muito mais estúpido e mais pobre? Deveria cobrar muito mais!", tuitou.

Esta é a oitava vez neste ano que o presidente ataca a Amazon, propriedade de Jeff Bezos, que comprou o Washington Post em 2013. Trump frequentemente chama o jornal de "Amazon Washington Post".

A atividade política nos Estados Unidos recomeça na semana que vem, depois do Ano Novo. Donald Trump voltará para Washington com um programa urgente sobre orçamentos, imigração, saúde e infraestrutura.

Todos os presidentes tiram férias: Barack Obama passava as suas no Havaí, e George W. Bush, no Texas. Curiosamente, antes de ser eleito, Trump criticou em especial seu antecessor pelo tempo que passou nos campos de golfe.

THE NEW YORK TIMES COMPANY

AMAZON.COM

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos