Conselho de Segurança se aproxima de acordo sobre Síria

Nações Unidas, Estados Unidos, 24 Fev 2018 (AFP) - O Conselho de Segurança das Nações Unidas está muito próximo de obter um acordo sobre um cessar-fogo de 30 dias na Síria, declarou nesta sexta-feira o presidente do órgão, o embaixador do Kuwait Mansur al Otaibi, na véspera da votação.

"Seguimos trabalhando na redação de alguns parágrafos e estamos quase lá", disse Otaibi, cercado por representantes dos demais nove membros não permanentes do Conselho de Segurança.

O Conselho planejava realizar a votação do projeto de cessar-fogo ainda nesta sexta-feira, mas a consulta foi adiada para o meio-dia deste sábado (14H00 Brasília), para dar mais tempo às negociações entre seus membros, segundo fontes diplomáticas.

A trégua visa principalmente permitir o envio de ajuda humanitária e a retirada de feridos de Ghuta Oriental.

O horário da votação foi adiado em três ocasiões nesta sexta-feira, em meio às negociações para se evitar um veto russo.

"Incrivelmente a Rússia está bloqueando uma votação para um cessar-fogo que permita o acesso humanitário", escreveu no Twitter a diplomata americana Nikky Haley.

O último rascunho do texto entregue aos membros do Conselho se limitava a "pedir" um cessar-fogo, enquanto a versão precedente utilizava o verbo "decidir".

O texto especifica ainda que a trégua não será aplicada a "indivíduos, grupos, empresas e entidades ligadas" à Al-Qaeda e ao grupo Estado Islâmico. A versão precedente citava apenas as duas organizações.

O projeto de resolução original foi apresentado em 9 de fevereiro por Suécia e Kuwait, mas as negociações pararam e, desde então, o regime sírio bombardeia Ghuta Oriental, onde morreram mais de 400 pessoas nos últimos cinco dias.

A grande interrogação é se a Rússia vetará ou não o novo projeto. Na quinta-feira, o embaixador russo nas Nações Unidas, Vasili Nebenzia, declarou que "não havia acordo" para a imposição de uma trégua humanitária.

O projeto tem como objetivo aliviar o assédio do regime sírio contra Ghuta Oriental, fornecer ajuda humanitária urgente e evacuar parte da população deste enclave de 400 mil habitantes na região de Damasco.

Mais de 13,1 milhões de sírios precisam de ajuda humanitária, incluindo os 6,1 milhões de deslocados dentro do país desde o início, em 2011, de uma guerra civil que matou mais de 340.000 pessoas.

- UE pede trégua -A União Europeia defendeu nesta sexta-feira a trégua na Síria, com os dirigentes de França e Alemanha solicitando em uma carta comum ao seu par russo, Vladimir Putin, apoio à resolução do Conselho de Segurança.

"O governo de (Bashar al) Assad ataca brutalmente homens, mulheres e crianças inocentes. Seus aliados - Rússia e Irã - lhe deixam agir. Urgimos que façam essa violência parar. A UE pede um cessar-fogo imediato", disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, ao fim de uma reunião de líderes em Bruxelas.

Diante da continuação da luta contra os extremistas do grupo Estado Islâmico, o que torna "muito delicada" uma trégua em todo o país, França e Alemanha concentraram seus esforços em um cessar-fogo em Ghuta Oriental, revelou o presidente francês, Emmanuel Macron.

O objetivo é conseguir a entrada de ajuda humanitária e evacuações médicas nesta região.

A França também está disposta a receber os evacuados. "A França trabalha com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e está disposta a receber todas as pessoas evacuadas desse cenário" de conflito, afirmou Macron.

"O massacre deve cessar imediatamente", afirmou Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia, em um comunicado. Ela enfatizou que a UE "não tem palavras para descrever o horror vivido pelos habitantes de Ghuta Oriental".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos