Trump elogia a "grande ajuda" da China na aproximação com Coreia do Norte

Washington, 27 Abr 2018 (AFP) -









Donald Trump elogiou nesta sexta-feira a grande ajuda da China pelos avanços diplomáticos com a Coreia do Norte depois dos testes balísticos e nucleares realizados por Pyongyang e uma escalada retórica belicista.

"Por favor, não nos esqueçamos da grande ajuda que meu bom amigo, o presidente Xi da China, deu aos Estados Unidos, particularmente na fronteira com a Coreia do Norte. Sem ele, o processo teria sido muito mais longo e difícil!", afirmou o presidente no Twitter.

A China é o único grande aliado de Coreia do Norte, mas apoiou uma série de sanções da ONU contra Pyongyang por seus testes nucleares e de mísseis.

Antes, Trump saudou a cúpula entre os líderes da Coreia do Norte e do Sul, ressaltando, contudo, que "o tempo dirá" se os resultados foram bons.

"Depois de um ano furioso em lançamentos de mísseis e testes nucleares, está acontecendo um histórico encontro entre as Coreias do Norte e do Sul", tuitou Trump, depois que o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e seu colega do norte, Kim Jong-un, concordaram em buscar um acordo de paz permanente e a completa desnuclearização da península.

"Estão acontecendo coisas boas, mas apenas o tempo dirá", afirmou Trump.

Em outro tuíte, Trump escreveu: "FIM DA GUERRA DA COREIA! Os Estados Unidos, e todo seu GRANDE povo, deveriam estar muito orgulhosos do que está acontecendo hoje na Coreia!".

Em 2017, Pyongyang lançou seu mais potente teste nuclear e testou mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) capazes de alcançar o território continental dos Estados Unidos.

Em uma declaração conjunta, Moon e Kim confirmaram "o objetivo comum de obter, mediante uma desnuclearização total, uma península coreana não nuclear".

"Não haverá mais guerra na península coreana", acrescentaram após a cúpula, a primeira em mais de uma década e 65 anos depois do encerramento da disputa apenas com um armistício, e não com um tratado de paz.

Este ano, as duas Coreias tentarão pôr fim à guerra de forma permanente e, para isso, tentarão - segundo o texto - se reunir com os Estados Unidos e talvez com a China (ambos signatários do cessar-fogo), "visando a declarar o fim da guerra e estabelecer um regime de paz permanente e sólido".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos