Canadá impõe novas sanções contra a Venezuela

Ottawa, 30 Mai 2018 (AFP) - O Canadá anunciou, nesta quarta-feira (30), novas sanções contra aliados do presidente venezuelano Nicolás Maduro, inclusive sua esposa, em resposta às eleições presidenciais "ilegítimas e antidemocráticas" do último domingo.

As eleições, que deram a reeleição a Maduro, foram boicotadas pela opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) e não reconhecidas pela União Europeia, por 13 países da América Latina e pelos Estados Unidos, que as denunciaram como uma "farsa".

O Canadá também rejeitou o resultado "fraudulento" e, com seus aliados do G7, pediu para Maduro convocar novas "eleições livres e justas", libertar todos os presos políticos e restaurar a autoridade da Assembleia Nacional, controlada pela oposição.

"Essas sanções enviam uma mensagem clara de que o comportamento antidemocrático do regime de Maduro tem consequências", disse a chanceler canadense, Chrystia Freeland, em um comunicado.

As 14 pessoas afetadas pelas novas sanções incluem a esposa de Maduro, Cilia Flores, e outros membros de seu entorno: legisladores, autoridades eleitorais e judiciais.

As sanções anteriores foram dirigidas contra Maduro e mais de uma dúzia de altos funcionários que, segundo Ottawa, tiveram um papel na "deterioração da democracia" na Venezuela.

Com o Canadá, os Estados Unidos e a União Europeia adotaram sanções contra altos funcionários venezuelanos, e nesta semana o bloco europeu se comprometeu a impor "rapidamente" novas medidas restritivas em resposta às eleições presidenciais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos