Contra câncer, Cuba e Estados Unidos criam primeira empresa mista de biotecnologia

Da AFP, em Havana

  • iStock

    Innovative Inmmunotherapy Aliance S.A "a primeira empresa mista de biotecnologia entre Estados Unidos e Cuba", anunciou o governador de Nova York, Andrew Cuomo

    Innovative Inmmunotherapy Aliance S.A "a primeira empresa mista de biotecnologia entre Estados Unidos e Cuba", anunciou o governador de Nova York, Andrew Cuomo

Cuba e Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira a criação de sua primeira empresa mista para desenvolver novos medicamentos e terapias contra o câncer, na zona franca do megaporto de Mariel.

Innovative Inmmunotherapy Aliance S.A., formada pelo Roswell Park Comprehensive  Cancer Center (com sede em Buffalo) e pelo Centro de Imunologia Molecular de Havana, é "a primeira empresa mista de biotecnologia entre Estados Unidos e Cuba", anunciou o governador de Nova York, Andrew Cuomo, em um comunicado enviado à AFP.

Cuomo qualificou essa aliança como um "passo histórico" que "permitirá avançar na pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos contra o câncer que podem prolongar e melhorar a sobrevivência de milhares de pacientes nos Estados Unidos".

Leia também:

Durante uma missão comercial à ilha em 2015, o governador Cuomo facilitou os primeiros contatos entre os dois centros científicos, que agora se associam para combater o câncer.

Simultaneamente, o grupo estatal Bio Cuba Farma informou que a primeira empresa mista entre Cuba e Estados Unidos no campo da biotecnologia será instalada na zona franca do porto de Mariel, 45 km ao oeste de Havana.

Terá entre seus produtos principais a vacina CIMAVax-EGF, uma nova terapia contra um tipo de câncer de pulmão, assim como "outros tratamentos adicionais de imunoterapia desenvolvidos em Cuba para diferentes tumores", detalhou o grupo em seu site.

A empresa cubano-americana é fundada em um momento em que as relações entre os dois países estão em retrocesso, segundo Havana, depois de que o governo de Donald Trump decidiu reverter a histórica aproximação iniciada em 2014 pelo presidente Barack Obama.

Cuba aprovou em 2014 uma nova Lei de Investimento Estrangeiro para dar mais incentivos ao capital estrangeiro e inaugurou o megaporto de Mariel, uma zona franca que deve se tornar o principal polo industrial da ilha.

O projeto de nova Constituição, que será submetido a referendo em 24 de fevereiro de 2019, reconhece "a importância do investimento estrangeiro para o desenvolvimento econômico do país", um mecanismo que já existia mas só como complemento ao majoritário investimento estatal na ilha socialista.

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, considerou em junho o investimento estrangeiro como uma "prioridade" e criticou que algumas negociações para captar capital estrangeiro se prolonguem excessivamente e impeçam concretizar projetos.

Até agora, em meio ao embargo dos Estados Unidos, às restrições impostas pelo governo e aos problemas burocráticos, a média de investimento estrangeiro está muito abaixo dos 2,5 bilhões de dólares por ano que o país necessita para apoiar seu crescimento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos