PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Governador do Rio é preso acusado de corrupção

29/11/2018 18h00

Rio de Janeiro, 29 Nov 2018 (AFP) - O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, foi preso nesta quinta-feira (29), acusado de ter recebido propina como parte de um esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, informou a imprensa.

"De acordo com as investigações que embasaram as medidas cautelares, o governador integra o núcleo político de uma organização criminosa que, ao longo dos últimos anos, cometeu vários crimes contra a Administração Pública, com destaque para a corrupção e lavagem de dinheiro", afirma em nota a Procuradoria-Geral da União.

O governador foi detido de manhã cedo no Palácio das Laranjeiras e levado à sede da Polícia Federal (PF), como parte da operação "Boca de Lobo". Ali, ele prestou depoimento por mais de três horas.

Escoltado por agentes policiais e sem algemas, Pezão, de 63 anos, foi levado em seguida para uma prisão da Polícia Militar em Niterói, região metropolitana do Rio, onde ficará recluso em uma sala especial, sem grades nem outras características de uma cela comum.

De acordo com a Procuradoria, Pezão teria recebido os subornos entre 2007 e 2014, quando era vice-governador de Sérgio Cabral, que cumpre prisão por corrupção. Os pagamentos teriam sido feitos até 2015, quando já era governador.

A ordem de prisão foi solicitada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e se baseia em perícias contáveis e na delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro de Cabral.

Pezão teria recebido de empresas e fornecedores contratados pelo governo do Rio de Janeiro uma mesada de 150 mil reais, além de um bônus de um milhão de reais, segundo o delator. A Procuradoria informou que a organização criminosa integrada pelo governador desviou dinheiro público, com remessas de grandes quantias ao exterior.

A prisão acontece a um mês do término de seu mandato. Em coletiva de imprensa após a detenção, Dodge ressaltou que a medida foi necessária, já que os crimes, como os de corrupção e lavagem de dinheiro, continuaram ocorrendo.

- Quarto governador preso -Todos os governadores eleitos do Rio de Janeiro entre 1998 e 2014 foram detidos, mas Pezão é o primeiro caso de detenção durante o exercício do cargo.

Anthony Garotinho (1999-2002) e Rosinha Matheus (2003-2007) passaram pela prisão por crimes eleitorais, que eles negam.

Cabral (2007-2014) está preso desde 2016, acusado de receber subornos em troca de concessões de obras públicas. Suas condenações somam mais de 180 anos de prisão.

Dodge ressaltou que o esquema criminoso que atua no Rio de Janeiro chegou a diversas esferas do aparato público estatal e que, apesar das condenações, essa organização não parou.

De acordo com a Procuradoria, apesar de ter sido homem de confiança de Sérgio Cabral e assumido um papel fundamental na organização criminosa, inclusive sucedendo-o em sua liderança, Pezão "operou um esquema próprio, com seus próprios operadores financeiros".

O governador eleito em outubro, Wilson Witzel, afirmou em comunicado que "a transição não será afetada". Depois, em coletiva de imprensa, disse que não acha necessário antecipar a entrada no governo e que auditará todos os contratos "sem paralisar o governo".

-Crise financeira-Pezão, do MDB, foi eleito governador em 2014 apresentando um perfil mais discreto que o de seu antecessor. Luiz Fernando Souza é conhecido como "Pezão" por causa do tamanho 47 de seu sapato.

Em 2016, enfrentou um câncer que o tirou de seu cargo por alguns meses, e passou parte de sua recuperação em sua cidade natal Piraí, a 100 km do Rio. Sua casa em Piraí também foi revistada pela polícia nesta quinta.

O governador herdou de Cabral uma severa crise financeira que ainda não foi superada pelo estado. O Rio enfrenta também graves problemas de violência, o que levou o presidente Michel Temer a emitir um decreto de intervenção federal.

O vice-governador, Francisco Dornelles, assume o cargo interinamente até a posse de Wilson Witzel, em janeiro.

Internacional