Topo

Protestos contra governo de Ivan Duque deixam três mortos na Colômbia

Protestos na Colômbia contra o governo de Ivan Duque - AFP
Protestos na Colômbia contra o governo de Ivan Duque Imagem: AFP

Da AFP, em Bogotá*

22/11/2019 10h37

Três manifestantes morreram em meio a confrontos nos protestos em massa realizados ontem contra o governo de Iván Duque, na Colômbia. O anpuncio foi feito hoje pelo ministro da Defesa, Carlos Holmes Trujillo.

"Nas últimas horas, as autoridades confirmaram a morte de duas pessoas em Buenaventura, em meio a distúrbios, e outro em Candelaria, ambos em municípios do (departamento) Valle del Cauca", no oeste do país, informou o ministro em uma entrevista coletiva.

Milhares de pessoas saíram ontem às ruas para protestar contra a política econômica e social do governo do presidente.

Originalmente, era uma greve sindical contra as mudanças que o governo pretende fazer no regime de pensões e na legislação trabalhista. Porém, a adesão de organizações estudantis e movimentos sociais incendiaram ainda mais os atos.

As marchas começaram na parte da manhã em quase todo o país e foram maioritariamente pacíficas. No entanto, alguns incidentes aconteceram na capital Bogotá e em Cali, onde foi anunciado toque de recolher.

"Não tenho outra opção que não seja o toque de recolher, devido a uma série de delinquentes que estão atacando e saqueando negócios. Não podemos admitir isso. A partir desta hora, nenhum cidadão pode estar na rua, pois será preso", escreveu o prefeito de Cali, Maurice Armitage.

Na Avenida El Dorado, em Bogotá, entre a Universidade Nacional e o Aeroporto El Dorado, os manifestantes tentaram atravessar uma ponte, mas as forças de ordem dispararam balas de borracha e lançaram bombas contra os estudantes.

Já pela noite, depois das marchas pelas ruas colombianas, a população promoveu um panelaço. De acordo com a rádio "Caracol", a manifestação iniciou no centro de Bogotá e se espalhou para diversos pontos do país.

Duque, por sua vez, prometeu que não permitirá "saque e ataques" a propriedades privadas e que irá "acelerar a agenda social e lutar contra a corrupção". O chefe de Estado colombiano ainda disse que o "diálogo social" é a "bandeira" do seu governo e afirmou que o protesto é um "direito" da população.

Em decorrência dos atos, o governo colombiano fechou as fronteiras terrestres e fluviais com o Brasil, Equador, Venezuela e Peru.

Notícias