PUBLICIDADE
Topo

Itália autoriza a transferência de 180 migrantes resgatados para um navio de quarentena na Sicília

Barco humanitário Ocean Viking, das ONG SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras - 12.set.2019 - Hannah Wallace Bowman/MSF/Handout/Reuters
Barco humanitário Ocean Viking, das ONG SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras Imagem: 12.set.2019 - Hannah Wallace Bowman/MSF/Handout/Reuters

05/07/2020 14h34

A bordo del Ocean Viking, 5 Jul 2020 (AFP) - Os 180 migrantes resgatados no Mediterrâneo pelo navio "Ocean Viking" serão transferidos para outro navio na segunda-feira, onde permanecerão em quarentena, anunciou o Ministério do Interior italiano à AFP no domingo (05).

"Eles estão autorizados a serem transferidos para o 'Moby Zaza'", um navio ancorado em Puerto Empedocle (Sicília), disse o porta-voz do Ministério do Interior, Dino Martirano, que informou ainda que os migrantes ficarão em quarentena.

"Recebemos instruções das autoridades marítimas italianas para desembarcar os sobreviventes no Porto Empedocle, informou a ONG a um repórter da AFP a bordo.

"Posso confirmar que eles autorizaram a transferência para o 'Moby Zaza', provavelmente amanhã [segunda-feira] de manhã", acrescentou Martirano à AFP.

O navio "Moby Zaza" foi fretado pelo governo para que os migrantes, já testados para covid-19, passassem 14 dias em quarentena.

Os 180 migrantes, entre paquistaneses, norte-africanos, eritreus e nigerianos, foram resgatados em quatro diferentes operações no Mediterrâneo entre 25 e 30 de junho.

Após vários pedidos às autoridades italianas e malteses, o Ocean Viking só havia recebido respostas negativas dos dois países.

As pessoas resgatadas permaneceram a bordo por mais de uma semana e momentos de tensão fizeram o navio declarar "estado de emergência" na sexta-feira.

Alguns migrantes ameaçaram a tripulação, outros pularam na água e tentaram suicídio.

Um membro da tripulação disse à AFP que nunca havia testemunhado tamanho nível de violência a bordo de um navio de resgate.

A chegada no domingo de um médico italiano prometendo um desembarque próximo acalmou a situação.

Coronavírus