PUBLICIDADE
Topo

Agentes atiram em suspeito e Trump sai de coletiva de imprensa sob escolta

11/08/2020 01h05

Washington, 11 Ago 2020 (AFP) - Agentes do Serviço Secreto atiraram e feriram uma pessoa, aparentemente armada, do lado de fora da Casa Branca nesta segunda-feira (10), informou o presidente Donald Trump, minutos depois do mandatário republicano ser retirado sob escolta de uma coletiva de imprensa.

Um homem de 51 anos abordou um agente do Serviço Secreto na esquina da 17ª Rua com a Avenida Pennsylvania, a um quarteirão da Casa Branca, de acordo com Tom Sullivan, chefe da Divisão Uniformizada do Serviço Secreto.

O suspeito disse ao agente que estava armado e correu "de maneira agressiva" em sua direção, tirando um objeto de dentro da roupa, continuou Sullivan em um comunicado publicado no Twitter.

Em seguida, o homem "assumiu a postura de atirador", como se tivesse a intenção de atirar, mas foi alvejado no peito pelo agente do Serviço Secreto.

Agentes no local fizeram os primeiros socorros e os serviços de emergência foram chamados. Tanto o suspeito como o agente que fez o disparo foram levados ao hospital.

"O Escritório de Responsabilidade Profissional do Serviço Secreto irá abrir uma investigação para analisar as ações do agente", concluiu Sullivan.

No momento em que Trump discursava diante da imprensa, presidente foi repentinamente retirado da sala da coletiva de imprensa por seguranças, enquanto agentes secretos fortemente armados foram mobilizados para o gramado norte da Casa Branca.

Minutos depois, Trump voltou à sala de imprensa, onde os jornalistas estavam trancados, e informou que alguém havia sido baleado do lado de fora da Casa Branca.

- Abalado? -Trump, envolvido em campanha para tentar a reeleição no dia 3 de novembro, garantiu não ter qualquer informação sobre a identidade ou a motivação da pessoa baleada, mas, ao ser questionado sobre se a pessoa estava armada, respondeu: "Pelo que entendi, a resposta é sim".

"Talvez não tivesse nada a ver comigo", continuou Trump, ao afirmar que o incidente aconteceu "do lado de fora" do perímetro da Casa Branca.

"Eu não acredito que [o perímetro da Casa Branca] foi violado, eles estavam relativamente longe", explicou.

A situação estava calma nos arredores da Casa Branca, mas uma parte das ruas nas imediações foi bloqueada, com diversos carros de polícia e agentes indo em direção à esquina entre a 17ª Rua e a Avenida Pennsylvania.

Philipos Melaku, um manifestante que acampa em frente à Casa Branca há anos, afirmou ter ouvido o barulho de um tiro por volta das 17h50 locais (18h50, horário de Brasília).

"Eu ouvi um tiro e, antes disso, eu ouvi gritos", relatou Melaku à AFP.

"Era uma voz de homem", continuou. "Depois disso, imediatamente, pelo menos oito ou nove homens armados chegaram apontando seus fuzis AR-15".

Após o susto, Trump voltou rapidamente ao púpito da Casa Branca e deu sequência à coletiva de imprensa.

Ao ser questionado se tinha ficado abalado pelo ocorrido, Trump respondeu: "O mundo sempre foi um lugar perigoso. Não é algo único", antes de elogiar efusivamente a atuação do Serviço Secreto.

sms/ec/am