PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Amigo afirma que Khashoggi recebeu ameaças de oficial saudita antes de ser morto

O jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, em outubro de 2018 - Getty Images
O jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, em outubro de 2018 Imagem: Getty Images

24/11/2020 10h25

Um amigo do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado em 2018 em Istambul, afirmou hoje que ele recebeu ameaças de morte de uma pessoa próxima ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita, durante a retomada de um julgamento simbólico na Turquia.

Vinte sauditas, dois deles próximos ao príncipe herdeiro Mohamed Bin Salman ("MBS"), são julgados à revelia em Istambul pelo assassinato de Khashoggi no consulado da Arábia Saudita em Istambul em outubro de 2018. A segunda audiência aconteceu nesta terça-feira.

No tribunal, Ayman Nur, opositor egípcio e amigo de Khashoggi, declarou que o jornalista havia sido ameaçado por Saud al Qahtani, ex-conselheiro do príncipe herdeiro, que está entre os acusados, segundo a imprensa.

"Jamal me contou que recebia ameaças de Qahtani e seu entorno" declarou Nur, citado pelo jornal Sabah.

Kashoggi, que inicialmente era um aliado do regime saudita, se tornou um dissidente e era acusado de vínculos com a Irmandade Muçulmana, proibida por Riade. Os restos mortais do colaborador do jornal Washington Post, de 59 anos, nunca foram encontrados.

O assassinato de Jamal Khashoggi provocou uma das piores crises diplomáticas para a Arábia Saudita e abalou a imagem do príncipe herdeiro Mohamed Bin Salman, apontado por autoridades turcas e americanas como o instigador do crime.

Em setembro, um tribunal saudita anulou as penas de morte impostas a cinco acusados após um julgamento a portas fechadas, criticado pela comunidade internacional, e os condenou a 20 anos de prisão.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan indicou que a ordem par cometer o assassinato veio dos "níveis mais elevados", do governo saudita, mas nunca acusou diretamente o príncipe herdeiro.

Internacional