PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
2 meses

Turquia apresenta condições aos EUA para assumir gestão do aeroporto de Cabul

22.abr.2021 - O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan discursa na Cúpula de Líderes sobre o Clima - Presidência da Turquia/Reuters
22.abr.2021 - O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan discursa na Cúpula de Líderes sobre o Clima Imagem: Presidência da Turquia/Reuters

Da AFP, em Istambul

20/07/2021 04h40Atualizada em 20/07/2021 07h20

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou hoje que seu país poderá administrar o aeroporto da capital do Afeganistão, Cabul, caso o governo dos Estados Unidos cumpra algumas condições, incluindo apoio logístico e financeiro.

A Turquia está negociando com altos funcionários do Departamento de Defesa dos Estados Unidos depois que o país se ofereceu para garantir a segurança e ajudar na gestão do aeroporto de Cabul após a conclusão da retirada das tropas americanas do Afeganistão.

O aeroporto é crucial para que os países estrangeiros possam manter suas missões neste país em guerra, pois é a principal via de saída internacional para diplomatas ou voluntários.

Erdogan e o presidente americano Joe Biden discutiram o tema em junho, durante um encontro à margem da reunião da Otan.

"Vemos com bons olhos a ideia de administrar o aeroporto de Cabul quando as tropas americanas deixarem o Afeganistão", declarou Erdogan à imprensa em Nicósia do Norte, na parte do Chipre ocupada pela Turquia em 1974.

"Mas queremos que os Estados Unidos cumpram algumas condições", completou.

"Quais? Primeiro, o governo dos Estados Unidos nos apoiará em nossas relações diplomáticas. Segundo, mobilizará seus recursos logísticos para nos ajudar (...) E outra questão é que existirão sérios problemas financeiros e administrativos, e eles darão o apoio necessário à Turquia", declarou.

"Caso estas condições sejam atendidas, nós, Turquia, planejamos operar o aeroporto de Cabul", afirmou.

O presidente turco também reiterou a vontade de manter discussões sobre a questão com os talibãs, que são contrários à gestão estrangeira do aeroporto.

"Acredito que podemos chegar a um acordo", disse.

Internacional