PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
3 meses

Junta miliar de Mianmar proíbe advogado de Aung San Suu Kyi de falar com a imprensa

15/10/2021 06h08

Yangon, 15 Out 2021 (AFP) - O principal advogado da líder birmanesa Aung San Suu Kyi, derrubada pelo exército em fevereiro, anunciou nesta sexta-feira (15) que recebeu uma ordem da junta militar para não falar mais com jornalistas, diplomatas ou organizações internacionais.

"Bem, eles calaram minha boca com o 144", postou o advogado Khin Maung Zaw em sua página do Facebook, em referência ao número do artigo do código criminal usado para a ordem.

Ele também publicou fotos da ordem, na qual as autoridades destacam que ele conversou com a imprensa.

"Esta comunicação perturba ou prejudica algumas pessoas que estão agindo de acordo com a lei e pode causar inquietação pública", afirma a ordem.

"A partir de 14 de outubro, o advogado Khin Maung Zaw está proibido de comunicar-se, reunir-se e falar com a mídia local e estrangeira, diplomatas estrangeiros, organizações internacionais... representantes de governos estrangeiros e outras organizações do exterior, de forma direta ou indireta", completa o texto.

A ordem foi emitida depois que o advogado explicou a experiência do presidente deposto Win Myint, que teria rejeitado a oferta dos militares de renunciar ao cargo durante o golpe de 1º de fevereiro.

A líder Aung San Suu Kyi enfrenta várias acusações que podem resultar em longas penas de prisão.

A imprensa não pode acompanhar os julgamentos e os advogados representam uma fonte de informação crucial sobre as audiências.

O golpe de fevereiro desencadeou um amplo movimento de protesto que os militares reprimiram com violência, o que deixou um balanço de quase 1.200 civis mortos.

bur-pdw/leg/dbh/bl/fp