PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Egito condena 22 acusados de extremismo à pena de morte

As condenações à morte não podem ser objetos de recursos porque todas as apelações legais foram esgotadas - Reprodução
As condenações à morte não podem ser objetos de recursos porque todas as apelações legais foram esgotadas Imagem: Reprodução

Da AFP

25/11/2021 08h23Atualizada em 25/11/2021 09h39

A justiça egípcia condenou 22 acusados de extremismo à morte, incluindo um ex-oficial de polícia, por 54 ataques, entre eles o assassinato de uma autoridade do serviço de inteligência, informou uma fonte judicial à AFP.

Além das condenações à morte, que não podem ser objetos de recursos porque todas as apelações legais foram esgotadas, o tribunal confirmou as penas, em alguns casos à prisão perpétua, contra 118 acusados.

Todos os condenados foram acusados de relação com o líder extremista egípcio Hisham el Ashmawy, ex-oficial das Forças Especiais que pegou em armas contra as autoridades e foi executado em março de 2020.

Ashmawy, que abandonou o exército egípcio em 2012, foi durante muito tempo um dos homens mais procurados do país.

O tribunal militar que o condenou à morte o declarou culpado de comandar o grupo extremista Ansar beit al Maqdes na península do Sinai, leste do país, onde acontece uma insurreição que se intensificou desde a derrubada do presidente islamita Mohamed Mursi em 2013.

Após a queda de Mursi e sua substituição pelo ex-marechal Abdel Fattah al Sissi, eleito presidente em 2014, a repressão da oposição islamita ou liberal não para de crescer.

Os julgamentos por "terrorismo" aumentaram e centenas de penas de morte foram pronunciadas.

Internacional