PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

A desesperada busca por comida nas áreas sitiadas pela Rússia no leste da Ucrânia

27/05/2022 10h35

Lysychansk, Ucrânia, 27 Mai 2022 (AFP) - Um mineiro no leste da Ucrânia pensou que poderia conter as forças russas bloqueando a última estrada restante em Lysychansk e quase perdeu a vida quando tentou dirigir para o sul para obter comida e remédios.

Artem Ivasenko vive em um porão com seu pai e outros familiares, sob bombardeio incessante.

Esta semana, tanques russos estão tentando reprimir o último bolsão de resistência em uma das duas posições ucranianas a leste e a contraofensiva de Kiev transformou a estrada de Lysychansk em um campo de batalha na guerra que dura mais de três meses.

Mas Ivasenko não recebe as notícias sobre o andamento da ofensiva, já que Lysychansk e a vizinha Severodonetsk estão incomunicáveis e sem eletricidade há semanas.

"A única coisa que sei é o que vejo", disse o homem de 34 anos, iluminado por uma lâmpada alimentada por um gerador, no porão onde mora.

"O que vi foram explosões a 10 ou 15 metros do meu carro na última vez que tentei dirigir por aquela estrada", disse ele.

Ivasenko já aceita a possibilidade de ter que sair da cidade para encontrar mais comida, não importa quem controla a estrada.

"Se são os russos, vou dizer que estou procurando ajuda para pessoas que estão à beira da morte", disse ele, dizendo que tem motivos legítimos para querer passar. "E se eles me matarem, me mataram", disse ele.

- "Arriscar tudo por comida" -Nesta fase do conflito, a Rússia fez do cerco a Severodonetsk e Lysychansk um objetivo primordial. Com os combates, as tropas russas estão perto de seu objetivo e essas duas cidades industriais só estão ligadas ao resto da Ucrânia pela estrada esburacada e empoeirada, onde até tanques e veículos militares têm dificuldade em avançar.

Para Oleksandr Kozir esta rota é o centro de suas preocupações. Ele é o chefe do centro de distribuição de ajuda de Lysychansk e enfrenta diariamente a angústia de pessoas famintas que estão ficando sem suprimentos.

"As pessoas estão dispostas a arriscar tudo para ter comida e água", disse o homem de 33 anos.

O centro de distribuição de alimentos administrado por Kozir é sustentado por sacos de areia e está quase em ruínas após um ataque de morteiros a prédios vizinhos.

Depois de atender uma mulher preocupada com o destino de sua mãe, que está doente, Kozir sentou-se para contar uma cena que o assombra.

"Alguns bombeiros estavam distribuindo água e foram bombardeados, então pularam para se proteger. Mas as pessoas que esperavam para pegar água não se importaram", lembrou. "Eles precisavam desesperadamente da água", disse ele.

Juntas, Severodonetsk e Lysychansk tinham uma população de 200.000 pessoas antes da guerra. Trabalhadores humanitários acreditam que ainda existam 20.000 pessoas escondidas nos porões de Lysychansk.

Poucos se atrevem a imaginar quantas pessoas podem ser atingidas na pesada ofensiva sobre Severodonetsk.

zak/jbr/spm/an/me/jc