México registra 155 mortes em temporada de calor

Os óbitos registrados no México desde março associados às altas temperaturas subiram para 155, após a notificação de 30 novos casos entre 13 e 18 de junho, informou o governo nesta quinta-feira (20).

Em seu relatório semanal sobre o período de calor, iniciado em 17 de março e que se estenderá até 5 de outubro, a Secretaria de Saúde disse ter registrado pelo menos 2.567 casos de danos à saúde provocados pelas "temperaturas naturais extremas".

O estado de Veracruz (leste), que se estende sobre o Golfo do México, é o que registra o maior número de mortos, 56, seguido de Tabasco (18), Tamaulipas (17), Nuevo León (12) e San Luis Potosí (11).

Um estudo do World Weather Attribution (WWA) divulgado hoje afirma que as ondas de calor mortais são 35 vezes mais suscetíveis por causa das mudanças climáticas em Estados Unidos, México e América Central.

Em meio à temporada de calor, uma dezena de cidades quebraram em maio recordes históricos de altas temperaturas. Antes desse período, o maior registro na Cidade do México era de 33,9 °C, alcançados em 1998. Este ano já soma quatro novos registros, o mais recente em 25 de maio, com 34,7ºC.

As altas temperaturas mantêm represas em níveis críticos, mas essa situação se reverteu desde ontem em regiões como Nuevo León, onde a passagem da tempestade tropical Alberto provocou fortes chuvas, com um balanço de quatro mortos.

O Ministério da Saúde advertiu, no entanto, que a maior parte do país continuará experimentando temperaturas altas, que podem superar 45ºC em estados como Baixa Califórnia e Sonora (norte).

O calor também afetou a fauna: dezenas de macacos bugio morreram nas florestas de Tabasco e Chiapas, no sul do país, onde foram registradas temperaturas superiores a 40ºC. 

yug/axm/dga/mvv/ic/rpr/lb

Continua após a publicidade

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes