Poucos moradores de rua se interessam por tenda emergencial em São Paulo

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

Poucos moradores de rua mostraram-se interessados em se abrigar, na noite de hoje (30), na tenda emergencial erguida pela prefeitura de São Paulo no centro da cidade, debaixo do Viaduto do Chá, para protegê-los do frio. Apenas dois moradores de rua tinham dado entrada no local até por volta das 20h. Hoje foi o terceiro dia de funcionamento do aparelho e a temperatura, às 20h, era de cerca de 20ºC.

Diferentemente dos outros albergues, na tenda é permitido que o morador de rua se abrigue junto com seus cachorros em seu interior. Ao lado das camas, cerca de 50, há espaço destinado para os cães. As carroças, no entanto, têm de ficar estacionadas do lado de fora. São oferecidos banheiros químicos para os usuários e a alimentação é entregue em outro albergue provisório, o Prestes Maia, a alguns metros dali.

"Ontem me hospedei aqui, e foi muito bom", disse o morador de rua Carlos Augusto Lima de Souza, que chegou portando um carrinho de supermercado onde ele transportava seu cachorro, chamado Truque. "Ele gosta de moleza, vê se ele quer sair aqui de cima. Mas é um privilégio para mim carregar ele. Ele não me trai, não me xinga, não me nega", disse. Truque estava bem alimentado, mas tinha algumas feridas nas patas.

Souza mostrou uma carteira náutica de habilitação para pilotar lancha, que foi seu último emprego quando morou em Angra dos Reis (RJ). Ele disse que abandonou o trabalho há um ano e está desempregado, mas que prefere "aqui do lado de fora". "Tem gente que está na rua porque quer estar. Se ninguém desse dinheiro, ninguém estaria na rua", disse.

Souza acredita que os demais moradores de rua ainda não têm conhecimento de que na tenda é permitido ficar junto dos cachorros, por isso a baixa procura. Para ele, assim que a notícia se espalhar, o interesse deve aumentar.

Este é o 16º abrigo emergencial aberto na cidade para o período do inverno. Desde 16 de maio, além das 10 mil vagas fixas em 80 centros de acolhida, o município ampliou a rede em mais de 2 mil leitos. Foram criados alojamentos emergenciais na Casa Verde, Capela do Socorro Itaim paulista, Itaquera, Lapa, Mooca, Brás, Pirituba, Santo Amaro, Sé e agora no Vale do Anhangabaú. Segundo a prefeitura, até o momento, não houve o registro de lotação completa das vagas disponibilizadas.

Críticas

O padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, que há décadas trabalha com moradores de rua na capital paulista, defendeu na última semana que a prefeitura paulistana altere a forma de acolhimento nos albergues. Segundo ele, o excedente de vagas no sistema mostra que o modelo se esgotou.

"Uma das coisas que nós temos que enfrentar com coragem é que esse modelo chamado de albergue ou centro de acolhida é um modelo de 1920, 1940, esgotou. A prefeitura tem de ter a coragem de mudar esse modelo. Ele não responde mais. É um modelo que as pessoas não suportam mais", disse em audiência pública feita pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). "É isso que a prefeitura diz: tinha vaga. Ele morreu lá na rua porque ele quis, porque vaga estava sobrando. Nós estamos cansados dessa resposta, recolher não é acolher. Acolher supõe mais do que recolher as pessoas. É preciso repensar o serviço de abordagem, é preciso repensar esse serviço de acolhimento".

A prefeitura não comentou as declarações do padre.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos