PUBLICIDADE
Topo

Rodoviários suspendem paralisação no DF; nova reunião está marcada para quarta

Wendel Sousa*

29/08/2017 12h24

O transporte coletivo voltou a funcionar normalmente hoje (29) no Distrito Federal (DF), depois que os rodoviários decidiram, na tarde de ontem (28), suspender a paralisação surpresa que pegou desprevenidas 600 mil pessoas que dependem de ônibus na região. A decisão foi tomada após audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Uma nova reunião foi marcada para amanhã (30). Caso o impasse entre a categoria e os empresários continue, os rodoviários prometem parar novamente ainda esta semana. Os trabalhadores reivindicam aumento salarial, além de correções no reembolso de planos de saúde e odontológico pago pelas empresas. "Além da reivindicação do aumento real de 10% no salário, as empresas não cumpriram com o combinado de reajustar o plano de saúde e odontológico da categoria, oferecendo apenas 12% no plano de saúde, quando o mínimo deve ser 30%, e repassam apenas R$ 20 do plano odontológico, quando deveriam repassar R$ 30,50", afirmou a assessoria do Sindicato dos Rodoviários. As empresas de transporte coletivo alegam que inúmeros fatores contribuem para a inviabilidade das reivindicações dos funcionários. A assessoria da Associação das Empresas do Sistema de Transporte Público e Coletivo do Distrito Federal (Transite) informou que espera que o impasse seja resolvido na reunião de amanhã. "A crise que o país atravessa atinge também as empresas de transporte coletivo. As receitas diminuíram. Estamos discutindo uma solução". Ainda de acordo com a associação patronal, o transporte clandestino e o uso indevido dos cartões de passe livre interferem diretamente na receita das empresas. Na audiência de ontem, segundo os rodoviários, as empresas se comprometeram a discutir o aumento do índice de reajuste que havia sido acordado em julho, mas teriam recuado após negociações com o Governo de Brasília. Em nota, o Governo de Brasília disse esperar que o impasse seja resolvido. "O governo de Brasília tem acompanhado há dois meses as negociações entre os rodoviários e as empresas e tem tentado mediar a melhor solução para ambas as partes, mas acima de tudo para a população, que não pode ser prejudicada. No entanto, é importante ressaltar que se trata de uma relação entre empresa e empregado. A categoria já está recebendo desde o mês de maio o reajuste referente à inflação, mas infelizmente quer ganhos reais que não refletem a realidade econômica do país."
*Estagiário sob a supervisão de Lílian Beraldo