Sem citar valores, Crivella anuncia investimentos e reformas na Rocinha

Tâmara Freire - Repórter do Radiojornalismo*

  • Rommel Pinto/Agência Estado

    23.set.2017 - Movimentação na favela da Rocinha, zona sul do Rio

    23.set.2017 - Movimentação na favela da Rocinha, zona sul do Rio

O prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, anunciou hoje (27) investimentos sociais na Rocinha, favela localizada na zona sul da capital. A comunidade, de 60 mil habitantes, vive dias de tensão em meio a uma disputa de facções pelo comando do tráfico de drogas, com intensos tiroteios.

De acordo com Crivella, as ações incluem conservação de prédios públicos, reformas e mudanças no transporte público, previstas para começar amanhã (28). O prefeito fez o anúncio após reunião no Gabinete de Gestão Integrada, no Centro de Operações, pela manhã. Ele destacou a integração entre transporte comunitário e o metrô "a um preço muito melhor" e reformas de escolas, praças e saneamento.

"Vamos fechar aquele valão que está lá desde que foi construído, uma coisa horrorosa, ali tem muito lixo, inseto, vamos passar uma grade de aço por cima dele todo; vai haver a pintura das fachadas, melhora das quadras. Tem tanta coisa aqui que nem consigo lembrar", declarou à imprensa.

Crivella garantiu que haverá verbas para as medidas e disse que o dinheiro virá da renovação do contrato de aluguel de bicicletas compartilhadas, de R$ 15 milhões. "Hoje estamos fechando o contrato da Bike Rio com o Itaú e isso vai nos dar recursos extraordinários que vieram em boa hora, exatamente para a Rocinha".

O prefeito também afirmou que as unidades de saúde, escolas e creches voltarão a funcionar integralmente a partir de amanha. Ainda hoje, por causa das operações policiais na favela, duas unidades de ensino fecharam, prejudicando 800 alunos.

Crivella ainda comemorou a integração das forças policiais do Estado com a Guarda Municipal e o Centro de Operações gerido pela prefeitura, que criaram um grupo de Whatsapp entre os agentes públicos para agilizar o atendimento. Com a parceria, quando agentes do Centro de Operações identificam crimes sendo cometidos, pelas câmeras de trânsito, podem acionar a segurança mais rapidamente.

Apoio da comunidade

Para intermediar o processo de pacificação na comunidade, que viveu dias de intensos tiroteios e operações policiais que prejudicaram a rotina de milhares de pessoas, o prefeito ainda pediu que os moradores da favela ajudem as forças policiais. "É muito importante que a população da Rocinha, de 60 mil pessoas, diria que é o fator principal para a pacificação, decida: 'nós queremos a paz' ", declarou. Se isso acontecer, acrescentou, "a paz permanecerá e não haverá quem possa derrubá-la". Ele defendeu a necessidade de interromper o conflito para que ações sociais possam ser implementadas.

Em relação ao orçamento, ele afirmou que não há cortes, mas que novos investimentos permanecem adiados. A arrecadação da cidade caiu dos cerca de R$ 25 bilhões previstos para R$ 16 bilhões, faltando três meses para o fim do ano.

*Colaborou Isabela Vieira

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos