Topo

ONU faz apelo por desarmamento de rebeldes na República Centro-Africana

Da Agência EFE

2017-10-28T15:45:00

28/10/2017 15h45

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, finalizou sua visita de três dias à República Centro-Africana, onde reivindicou aos grupos rebeldes que promovem o conflito armado no país que abandonem as armas e busquem soluções políticas. Em discurso feito ontem (27) à noite antes de deixar a República Centro-Africana, Guterres pediu às 14 organizações armadas que existem no país que "participem da vida política" e "se unam ao processo de paz proposto pelo governo". "A violência e os abusos das vítimas não são o caminho para conseguir sua integração pacífica na comunidade nacional", ressaltou o secretário-geral da ONU. Para conseguir o avanço do processo de paz, Guterres reivindicou a mobilização da comunidade internacional para colaborar com a missão da ONU na República Centro-Africana (Minusca) no desenvolvimento do Exército e da polícia no país. "Não podemos abandonar os centro-africanos. Todos devemos mobilizar-nos para ajudá-los a construir o futuro que merecem, que lhes deve ser garantido", acrescentou Guterres. Antes de chegar à República Centro-Africana, Guterres destacou o "momento-chave" em que se encontra o país e pediu que se aumente em 900 unidades o número de boinas azuis presentes ali, que atualmente está em torno de 12 mil. Nos três dias de visita, o secretário-geral da ONU prometeu sanções contra a exploração e o abuso sexual cometidos por alguns boinas azuis da Minusca contra a população local e reiterou o compromisso da comunidade internacional com a paz no país. A República Centro-Africana vive um complicado processo de transição desde que, em 2013, os rebeldes Séléka derrubaram o presidente François Bozizé, o que suscitou uma onda de violência sectária entre muçulmanos e cristãos e  causou milhares de mortes. É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

Mais Notícias