Chuva em fevereiro ultrapassa média histórica no Ceará

Edwirges Nogueira - Repórter da Agência Brasil

Embora abundantes, chuvas ainda não trouxeram aportes aos principais açudes do estado, como o CastanhãoMinistério da Integração/Divulgação

Cumprindo o primeiro prognóstico divulgado pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), a chuva no mês de fevereiro ficou 30% acima da média histórica. Até esta quarta-feira (28), foram registrados 154 milímetros (mm), quando a média histórica é 118 mm.

Segundo o supervisor da unidade de tempo e clima da Funceme, Raul Fritz, esse volume é resultado da atuação da zona de convergência intertropical e das boas condições atmosféricas e oceânicas atuais. A zona de convergência iIntertropical é o principal sistema meteorológico que atua no Ceará entre os meses de fevereiro e maio, que formam a chamada quadra invernosa.

Embora abundantes, as precipitações ainda não significaram aporte nos principais reservatórios do estado, mas formam uma etapa importante para isso, explica Fritz. "Essas primeiras chuvas umedeceram o solo, que estava muito seco. É preciso haver saturação desse solo para que a água escorra para os rios. De qualquer forma, as chuvas de fevereiro representaram um início favorável, e esperamos que elas continuem."

A expectativa é que o mês de março, considerado o mais chuvoso do ano, também tenha precipitações acima da média histórica, de 203 mm.

A região sul do estado, onde estão as bacias hidrográficas que contribuem para o aporte de água nos três principais reservatórios do Ceará (Castanhão, Orós e Banabuiú) também recebeu um bom volume de chuva em fevereiro.

Mesmo com o prognóstico positivo, o Conselho de Recursos Hídricos do Ceará decidiu poupar o volume remanescente do Castanhão, o maior reservatório de usos múltiplos do Brasil, que está com apenas 2,31% do volume total. Inaugurado em 2004, o Castanhão tem capacidade de armazenar 6,7 bilhões de metros cúbicos (m³) de água.

Resolução do órgão determinou a suspensão da alocação complementar de água para a região metropolitana de Fortaleza até o fim da quadra invernosa e a redução em 30% do volume destinado à irrigação.

Tais destinações já estavam reduzidas desde meados do ano passado, que foi o sexto ano seguido de seca no estado. O Castanhão vinha contribuindo com apenas 10% da água para o consumo das famílias que moram na região metropolitana. Os 90% restantes são oriundos de reservatórios localizados na própria região. Já na irrigação, a restrição estava em 70%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos