Topo

Inauguração de ciclovia na Paulista atrai ciclistas e protestos anti-PT

Ciclista puxa faixa de integrantes do Movimento Brasil Livre, que protestavam contra o PT, durante inauguração da ciclovia da avenida Paulista - Guga Gerchmann/Eleven/Agência O Globo
Ciclista puxa faixa de integrantes do Movimento Brasil Livre, que protestavam contra o PT, durante inauguração da ciclovia da avenida Paulista Imagem: Guga Gerchmann/Eleven/Agência O Globo

28/06/2015 13h40

São Paulo - A inauguração da ciclovia na Avenida Paulista, região central de São Paulo, atraiu na manhã deste domingo, 28, milhares de ciclistas. Segundo a Polícia Militar, às 10h havia mais de 2 mil pessoas com bikes na área. A via segregada para bicicletas tem cerca de quatro quilômetros de extensão e registra intenso movimento no seu primeiro dia de funcionamento oficial.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), exaltou o "símbolo de qualidade de vida" e disse que esta é uma política que "deveria ser abraçada por todos os partidos". Diversos ciclistas que se dirigiram ao local carregavam balões brancos. O início do tráfego na ciclovia, no entanto, também ocorreu sob protestos de diferentes grupos.

Durante a madrugada, tinta azul foi jogada em um trecho da via próximo ao prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), mas foi retirada após limpeza da Prefeitura. Outros movimentos estenderam faixa de "Fora PT".

No período da manhã, Haddad percorreu a ciclovia acompanhado pela primeira-dama, Ana Estela Haddad, pelo secretários Jilmar Tatto (Transportes), Gabriel Chalita (Educação) e Eduardo Suplicy (Direitos Humanos). No final do trajeto, na Praça do Ciclista, próximo à Rua da Consolação, o prefeito parou para descansar e tomar água de coco.

Haddad comemorou o início das atividades na ciclovia. "Acho importante também pelo simbolismo. O principal cartão postal da América Latina agora tem uma área que é a malha cicloviária", disse.

O prefeito convocou todos os partidos a integrarem o apoio às ciclovias. "Isso aqui não é uma política partidária, não é uma política de governo, é uma política que deveria ser abraçada por todos os partidos e por todos os governos, para que pedestres e ciclistas tenham seu espaço garantido além do transporte público", acrescentou.

Na avenida, a cicloativista Renata Falzoni compartilhou do discurso de Haddad. "Está na hora de colocar os carros nos seus devidos lugares. Essa é uma política necessária e que está prevista no Plano Nacional de Mobilidade Urbano. Portanto, não podemos atrelá-la a um partido", disse.

Haddad foi alvo de manifestantes em diferentes pontos da avenida. Os protestos focaram principalmente nos desdobramentos da operação Lava Jato e em críticas ao Partido dos Trabalhadores. Em frente ao Hospital Santa Catarina, na Avenida Paulista, de onde saiu a comitiva do prefeito para percorrer a ciclovia, pessoas gritavam "petrolão!", "Sérgio Moro está chegando", "Ciclovia para as pedaladas de Dilma" e "bandido".

Questionado sobre a reação, Haddad atribuiu as manifestações a "infiltrados", que teriam se preparado para protestar no evento. O advogado Henrique Vilela de Souza, de 39 anos, foi um dos que gritaram do lado de dentro do hospital, a poucos metros do prefeito. Ele afirmou que não estava acompanhando paciente, apenas passava pelo local. Souza negou ser infiltrado. O advogado afirmou que não é de São Paulo e que não tem opinião formada sobre a ciclovia.

Com ceú azul e clima de festa, ciclovia é inaugurada

Mais Notícias