PUBLICIDADE
Topo

Análise mostra metais pesados no rio Doce

Trecho do rio Doce, em Minas Gerais, que foi afetado pela lama originada do rompimento de duas barragens em Mariana - Antônio Cota/Diário do Rio Doce
Trecho do rio Doce, em Minas Gerais, que foi afetado pela lama originada do rompimento de duas barragens em Mariana Imagem: Antônio Cota/Diário do Rio Doce

De Vitória (ES)

13/11/2015 09h45

O resultado da análise laboratorial das amostras de água coletadas no rio Doce, em Minas Gerais, apontou níveis acima das concentrações aceitáveis de metais pesados como mercúrio, arsênio, ferro e chumbo na lama que escorreu para o rio com o rompimento das barragens em Mariana (MG). O prefeito de Baixo Guandu (ES), Neto Barros (PCdoB), confirmou a informação.

"Para se ter uma ideia, a quantidade de arsênio encontrada na amostra foi de 2,6394 miligramas e o aceitável é de no máximo 0,01 miligrama", afirmou. "Encontramos praticamente a Tabela Periódica inteira na água."

Em nota, a Samarco afirmou que o rejeito armazenado nas barragens não era tóxico e disse desconhecer o laudo técnico. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".