Sistema Cantareira sofre primeira queda em quase 6 meses

Em São Paulo

  • Nilton Cardin

Após quase seis meses sem registrar perda de água, o Sistema Cantareira voltou a ter queda no nível de armazenamento, segundo boletim da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), divulgado neste domingo (17). A variação negativa mínima, de 0,1 ponto porcentual, é resultado da combinação de seca e calor forte.

A capacidade atual do Cantareira está em 66,1%, contra a taxa de 66,2% registrada desde 12 de abril. Os valores consideram o volume morto adicionado ao cálculo em 2014.

Na região que abastece o manancial, o mês de abril, por enquanto, não registra praticamente nada de chuva. A pluviometria acumulada nos primeiros 17 dias é de apenas 0,9mm --o que equivale a 1% da média histórica do mês, que é de 88,7mm. Apesar da seca, a queda é a primeira, desde o dia 22 de outubro de 2015.

Depois que o governo de Geraldo Alckmin (PSDB) decretou o fim da crise hídrica, há pouco mais de um mês, o Cantareira voltou a abastecer um número maior de clientes, 7,4 milhões. O número, porém, é aquém dos 8,8 milhões abastecidos pelo sistema no início de 2014, quando começou a seca.

Outros mananciais

Outros sistemas também registraram perda de água armazenada. É o caso do Guarapiranga, que caiu 0,3 ponto porcentual, passando de 83% para 82,7%.

Na região do manancial não choveu ainda em abril. Já o Alto Tietê, que juntamente com o Guarapiranga ajudou a "salvar o Cantareira" nos últimos dois anos de crise, manteve-se estável, com 45,1% de sua capacidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos