Guarujá remove quiosques da areia

  • Divulgação

São Paulo - Em janeiro, o turista que for à Praia da Enseada, no Guarujá, vai encontrar o local em obras. A transferência dos quiosques instalados na faixa de areia para o calçadão finalmente começou, seis anos após o início de uma briga judicial envolvendo prefeitura, comerciantes e União.

A construção deve ser concluída em dezembro, mas os canteiros vão prosseguir por 2017. Isso porque ainda é preciso demolir as barracas antigas, instalar rampas de acesso e consertar o asfalto.

O projeto, contudo, não agrada os comerciantes e também divide opinião de turistas. Hoje, há cerca de 80 quiosques espalhados por suas praias, segundo a prefeitura do Guarujá. Muitos deles funcionam como grandes restaurantes e chegam a usar cem mesas para servir os banhistas.

Já os novos quiosques são bem menores. Segundo o projeto, eles terão cerca de 56 metros quadrados, o simples, e 158 metros quadrados, o duplo. A metragem inclui tanto a área construída, com banheiro e cozinha, por exemplo, quanto o pergolado, espécie de varanda onde ficarão até oito mesas.

"Vamos precisar enxugar o cardápio e reduzir o quadro de funcionários. Não tem espaço físico", diz Eliete Schneider, de 48 anos, que há 23 é proprietária do Caribe Brasil. Ela quem deve ficar com o primeiro quiosque no calçadão. Na alta temporada, a comerciante chega a contratar 20 pessoas e usar 65 mesas, 50 delas na areia. "Agora, serão oito funcionários, menos da metade", afirma. "Mas podia ser muito pior. A gente corria o risco de perder tudo.

Para o quiosqueiro Eden Santos, de 36 anos, a decisão vai comprometer o comércio no período de maior lucro. "Estão fazendo as obras em cima da temporada. Prejudica a gente e o turista", diz. "Se é decisão federal, tem de cumprir. Mas quantos vão perder o emprego?"

Com a saída da faixa de areia, parte dos comerciantes vai acabar ficando de fora - incluindo um grupo que estava com a documentação em dia na época da seleção. É que o projeto prevê construir apenas 54 quiosques. Do total, 40 serão em instalações duplas e 14, em simples. Segundo a prefeitura, os que não foram contemplados terão licença de ambulante.

Essa será a alternativa do permissionário Valmir Hendges, de 61 anos, do Quiosque do Marinheiro, que preferiu não aderir ao projeto. "Seria fazer um investimento sem retorno", diz. Para ele, a mudança vai "acabar com o turismo" na praia. "Com 50 mesas, a gente não consegue vencer a demanda. Imagina agora."

Na Enseada há 16 anos, ele aguarda ordem para deixar o quiosque. "Vamos tirar o madeiramento e deixar derrubar. Então, começamos a trabalhar com carrinho", diz.

Acordo

A demolição das barracas foi requerida pela Advocacia-Geral da União (AGU), sob argumento de que a faixa de areia é domínio da União e não pode ser ocupada por comércio. Em 2010, a prefeitura assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) em que se comprometeu a remover os quiosques para a calçada, mas não cumpriu.

Quatro anos depois, o município começou a demolição, determinada pela 4ª Vara da Justiça Federal. Retroescavadeiras derrubaram quatro barracas. Foi quando permissionários entraram com ação para tentar anular o TAC.

Em agosto do ano passado, as partes chegaram a um acordo na Justiça. Decidiu-se que os permissionários arcariam com a construção dos quiosques, orçados entre R$ 100 mil e R$ 120 mil.

Em troca, eles receberam o direito de exploração por cinco anos. "Na prática, tiveram sete anos. É o tempo para se preparar para a licitação", diz a advogada Edna Maria de Carvalho, que representa quiosqueiros.

Ficou decidido ainda que a prefeitura deve aplicar a multa de R$ 7 milhões, pelo não cumprimento do TAC, na reurbanização da orla da Enseada. Parte será usada para derrubar quiosques antigos. O município afirma que a licitação está em elaboração. "Há prazos da Justiça para cumprir, então vai acontecer sendo temporada ou não", diz o secretário de Planejamento do Guarujá, Marco Damin.

Choque

"As obras devem ser feitas de modo parcimonioso, para evitar que o choque seja maior. É um projeto profundo, vai mudar a relação do turismo", diz Damin. Mesas usadas na areia também serão substituídas por cadeiras de praia e banquetas de apoio. O limite, no entanto, só deve ser regulamentado no próximo ano.

O projeto divide turistas. "Não deveria mudar. O quiosque é tão gostoso, facilita muito para a gente", diz o representante comercial Renato Miletto, de 65 anos, que mora em Bauru, no interior, mas frequenta o Guarujá. Já o coordenador de produção Renan Michachi, de 23, aprova o projeto. "Vai melhorar a organização e a higiene da praia." As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos