Doria diz que Alckmin está 'muito constrangido' com citação em delações

Valmar Hupsel Filho

Foz do Iguaçu-PR

  • MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDO

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) disse nesta sexta-feira, 21, que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) está "muito constrangido" com a citação a seu nome em delações de ex-executivos da Odebrecht. Três delatores afirmaram à Procuradoria-Geral da República que Alckmin usou o cunhado como intermediário para receber R$ 10,7 milhões via caixa 2 do setor de propinas da empreiteira. O governador nega.

"Muito constrangido, muito constrangido", disse Doria ao ser questionado sobre a reação do governador, de quem ele é um dos mais próximos aliados, sobre as citações nas delações. "Evidentemente que alguém que tem uma vida limpa, construída com modéstia, como ele tem fica evidentemente constrangido diante dessas circunstâncias", disse ele em Foz do Iguaçu, onde participou pela primeira vez como prefeito do Fórum de Líderes Empresariais, que está em sua 16ª edição e é organizado pelo Grupo Doria, do qual até ano passado era presidente.

De acordo com os delatores Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Carlos Armando Guedes Pachoal e Arnaldo Cumplido de Souza e Silva, o dinheiro do Grupo Odebrecht teria sido repassado ao então candidato Geraldo Alckmin, a pretexto de contribuição eleitoral, R$ 2 milhões no ano de 2010 e R$ 8,3 milhões no ano de 2014.

Em nota, o governador afirmou que jamais pediu ou recebeu recursos irregulares. "Jamais pedi recursos irregulares em minha vida política, nem autorizei que o fizessem em meu nome. Jamais recebi um centavo ilícito. Da mesma forma, sempre exigi que minhas campanhas fossem feitas dentro da lei."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos