Cunha diz que compra de seu silêncio foi 'forjada' para derrubar Temer

Fabio Serapião

Brasília

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou ter recebido dinheiro do empresário Joesley Batista para não fazer delação e afirmou que a suposta compra do seu silêncio foi "forjada para derrubar o mandato do presidente Michel Temer". A fala de Cunha foi em resposta a uma pergunta do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, no âmbito dos interrogatórios da ação penal derivada da Operação Sépsis.

"Deram uma forjada e Joesley foi cúmplice e agora está pagando o preço por isso", afirmou Cunha. A suposta compra do silêncio de Cunha apareceu pela primeira vez após divulgação do áudio da conversa gravada entre Temer e Joesley no Palácio do Jaburu. Em seu acordo de colaboração, Batista disse ter efetuado pagamentos para Cunha e seu operador, Lúcio Bolonha Funaro, com o objetivo de manter os dois em silêncio na prisão.

Temer ouve relato sobre Cunha e diz a Joesley 'tem que manter isso, viu'

A informação embasou a abertura de investigação e posterior oferecimento de denúncia contra Temer pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Ainda em seu depoimento, Cunha afirmou ter participado de um encontro entre Joesley Batista e Michel Temer realizado em 2012. A revelação de Cunha sobre a reunião foi no momento em que o juiz Vallisney de Souza elencava perguntas sobre possíveis irregularidades no aporte do FI-FGTS na empresa Eldorado Celulose, do grupo J&F.

Eduardo Cunha ironiza planilha de Funaro: "faço melhor"

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos